Saiba como a série “World on Fire” destaca a história LGBTQ+ incontável
14.07
POSTADO POR Luiz
Compartilhe

Veja como a série “World on Fire” da BBC destaca a história da comunidade LGBTQ+ incontável:

Albert and Webster in World on Fire    

 

 

 

 

Webster (Brian J. Smith) e Albert (Parker Sawyer) do World on Fire, redefine a identidade queer nos tempos de guerra que são demonstrados ao percorrer da série.

Webster O’Connor (Brian J. Smith) e Albert Fallou (Parker Sawyers) do seriado World on Fire, possuem um relacionamento romântico que transcende a nacionalidade e a sua raça, porém a história ocorre em Paris em 1940, momento no qual apresenta perigos incalculáveis. Alguns podem ter uma ideia de como seu enredo pode terminar, mas em World On Fire garante que o público ainda possa manter a esperança através de emoções bem representadas e representações de suas vidas em Paris.

No episódio 1 da série, apresenta Webster como médico no hospital americano de Paris. Sua tia Nancy Campbell (Helen Hunt) avisa que a guerra está chegando, mas a sua tia acha que sua linha de trabalho a tornou excessivamente cautelosa por isso dos avisos. Quando Webster vai a um clube de jazz subterrâneo para aliviar o estresse do trabalho, ele vê Albert. Ele é fica instantaneamente atraído por Albert, apesar de vir e viver em mundos opostos.

De acordo com uma entrevista da BBC com Brian J. Smith, “Webster foi criado no Texas, que provavelmente tinha muitos tons raciais intensos… no entanto, em Paris e no clube de Albert, ele encontra um lugar onde pode ser ele mesmo e viver seu sonho”.

Albert é um famoso saxofonista e líder de uma banda parisiense. Em uma entrevista para a BBC, Sawyer o descreve como “… um jovem Kanye West em um clube que acontece, cheio de dançarinos e ele está no controle da festa. Webster entra e fica admirado com esse cara que é legal, confortável em sua pele, francês e encantador.” A música e as artes são os meios de subsistência de Albert, que fica a mundos de distância dos corredores estéreis do hospital em que Webster passa seu tempo.

Albert é claramente o espelho de gênero da história de Connie (Yrsa Daley-Ward), mas também seu oposto em termos de status militar e como eles definem suas nacionalidades. Isso é importante porque, como músico profissional, a guerra provavelmente terminaria a carreira de Albert. E Connie tem um forte sotaque de Manchester, enquanto Albert tem um leve traço de um sotaque não parisiense. Sua determinação em definir sua nacionalidade como francesa indica que ele provavelmente imigrou de uma ex-colônia. Antes da guerra, muitas pessoas das colônias se mudaram para Paris para melhorar as oportunidades educacionais e de emprego. Numa época em que vários movimentos nacionalistas despojavam legal ou socialmente a cidadania dos cidadãos naturalizados, Albert desafia essas tendências à sua maneira.

O romance iniciante de Webster e Albert nos episódios 2 e 3 ocorre durante um período comum de romance e o redefine. Assim como Caroline Penvenen de Poldark, usa uma desculpa de consulta médica para flertar com o Dr. Dwight Enys, Albert visita Webster no hospital depois de uma lesão, no entanto, o World on Fire rompe com outros dramas de época, normalizando expressões estranhas de afeto. A câmera não foge de Webster e Albert na cama juntos ou se beijando. Embora Albert e Webster precisem se distanciar em um banco do parque, o programa trata seu relacionamento com tanta simpatia quanto o casamento de curta duração de Kasia (Zofia Wichłacz) e Harry (Jonah-Hauer King). O público percebe que Webster está se apaixonando pela primeira vez e Albert está mostrando a ele como desfazer todos os anos de desejo reprimido.

Em poucos períodos de dramas anteriormente retratam as experiências de homens gays durante a Segunda Guerra Mundial. Em uma entrevista para a BBC, o roteirista Peter Bowker disse: “Esperamos agora que possamos contar uma história sobre dois gays que vivem durante a Segunda Guerra Mundial que não são sublimados em Brief Encounter”. Embora Home Fires combine experiências estranhas militares e civis, seus personagens estranhos são mulheres britânicas. Cabaret e Bent têm adaptações de teatro e cinema que apresentam a experiência gay alemã na qual a supressão do partido nazista foi implementada vários anos antes da guerra. A cuidadosa pesquisa de Bowker na época prova que apenas porque essas histórias não foram apresentadas antes, elas sempre estiveram lá, esperando para serem contadas.

A história de Albert também é uma oportunidade de explorar a identidade negra fora da história americana ou britânica. Os franceses também têm uma história muito longa com o colonialismo e a escravidão, mas as diferenças na estrutura do governo, cultura e religião alteraram o curso do colonialismo francês. Personagens negros em dramas de época são frequentemente enquadrados por lentes culturais americanas ou britânicas distintas. Embora alguns possam questionar a escolha da carreira de Albert como um tropo, Paris entre as guerras foi um refúgio para artistas como Josephine Baker, cujas carreiras foram atrofiadas pela segregação legal.

O episódio 4 trás um aspecto da guerra diretamente para Webster e Albert. O hospital já está mostrando sinais de influência nazista. Embora os americanos sejam oficialmente neutros neste momento da guerra, Webster está fazendo a escolha profissional de se alinhar com os exércitos anti-nazistas. As regras dizem que ele deve afastar pacientes judeus, mas ele os ignora. Ele ainda trata uma mulher judia grávida e apóia uma enfermeira judia que decide ficar e lutar.

No final do episódio, Albert encontra uma suástica pintada com sangue e a cabeça de um porco do lado de fora da porta. Albert percebe que seu espaço seguro em Paris está sob ataque, enquanto Webster ainda acredita que seu futuro juntos é brilhante.

Brian J. Smith disse: “Webster ainda é, para o bem ou para o mal, muito bom em manter esses antolhos, em manter qualquer ameaça afastada, porque foi assim que ele aprendeu a sobreviver”. O público se lembra de todas essas cenas do conselho da tia Nancy, mas vemos que Webster não conectou completamente os pontos.

 

FONTE;

 

Nome do site: Brian J. Smith Brasil
Sigla do site: BJSBR
Domínio: brianjsmithbrasil.com
We’re NOT impersonating Brian J. Smith! Fã-site Webmaster: Luiz Carlos
Co-webmaster: Beatriz Russo
No ar desde: 2015
Visitas: contador de acessos
LOGIN © BRIAN J SMITH BRASIL 1 Online Desenvolvido por: MELISSA S. & UNI DESIGN.