REVIEWS: Avaliações do documentário “A House Is Not A Disco” do diretor e ator Brian J. Smith
31.03
POSTADO POR Luiz
Compartilhe

Confira algumas avaliações do documentário “A House Is Not A Disco” do diretor e ator Brian J. Smith que estreou no mês de março de 2024 durante o Festival de Filme e TV em seu estado natal, o festival SXSW no Texas, EUA. Confira as avaliações digitais do documentário:

Rotten Tomatoes: “Opiniões fortes são expressas de tempos em tempos, mas principalmente isso é o que eu chamaria de um documentário “suave”, um filme para espectadores com ideias semelhantes mergulharem, deleitarem-se e recomendarem aos amigos. Como literalmente férias em uma cidade praiana ensolarada.” “É uma bela visão de uma comunidade com uma história rica e futuro incerto.” “Um documentário de nicho que irá agradar especialmente a públicos que pensam como você, o filme oferece uma excelente oportunidade de aprender sobre uma comunidade gay vibrante e as pessoas que estão dando nova vida a ela.” “A House is Not A Disco serve como um ponto intermediário para as gerações queer se envolverem e falarem sobre como são suas vidas hoje.” “Há uma sensação de viver o momento mas para o futuro, uma ligação profunda com a natureza e uma vontade de enfrentarmos juntos o que quer que aconteça.”

01. The Austin Chronicle

A House Is Not A Disco, o documentário de estreia do ator Brian J. Smith (Sense8), celebra o hedonismo (doutrina moral e filosófica que prega a ideia de prazer extremo, um bem supremo que traz sentido para a vida e existência humana), a tristeza e o futuro complicado de Fire Island Pines.

Filmado ao longo de duas temporadas na praia genuinamente lendária, Brian J. Smith não apresenta ninguém e simplesmente inicia entrevistas e observações de cerca de uma dúzia de moradores da comunidade praiana que para muitos a ilha serve como refúgio e lar secundário (e espiritualmente primário) para gerações da comunidade LGBTQIA+. Os residentes mais velhos da geração boomer comemoram a chegada de uma geração mais jovem, mas também meditam sobre os amigos perdidos devido à AIDS. (A certa altura, observa um residente, um terço das casas em Fire Island estavam à venda, pois os proprietários morreram um por um durante a “praga”.) Os mais jovens estão lá em grande parte para festejar e parece que a Geração X as pessoas estão fazendo todo o trabalho (é claro).

Brian J. Smith cria um documento bastante suave, misturando as tradições observacionais de Frederick Wiseman com breves entrevistas com homens interessantes, que vêm para Pines há dias ou décadas, todos com aproximadamente o mesmo objetivo: serem descaradamente eles mesmos.

O filme não é isento de tensão: homens gays negros têm sentimentos confusos sobre a exclusividade da comunidade branca, em sua maioria rica. Alguns ativistas trans pontilham a paisagem, um deles liderando a criação de um parque e de uma fonte de água pública em homenagem a Marsha P. Johnson, uma das principais impulsionadoras do levante de Stonewall. E todos estão preocupados com a erosão contínua da praia no pequeno enclave, uma erosão estimulada pelas alterações climáticas globais.

A House Is Not A Disco é maravilhosamente filmado pelo diretor de fotografia Eric Schleicher, que evita o estilo portátil que poderia ter dado aos procedimentos uma sensação brega de reality show e enquadra cada momento para um excelente impacto emocional, seja o trabalho de montar um enorme sistema de som para a grande festa anual, a bacanal em si ou os momentos mais cotidianos (uma drag queen se arrumando no espelho, um casal mais velho discutindo calmamente sobre a reputação de exclusividade de Pines ou simplesmente ondas batendo na praia). É uma bela visão de uma comunidade com uma história rica e futuro incerto.

LINK1;

02. Eye For Film UK

É um lugar lendário, um lugar tão comentado nos círculos LGBTQ+ há tanto tempo que para quem não esteve lá pessoalmente parece um sonho, mas Fire Island Pines nunca foi capturado em filme como este antes. Mesmo que você seja um frequentador assíduo, talvez não o reconheça como foi apresentado pela primeira vez: fora de temporada, uma neblina de garoa no ar, as ruas vazias, sob um manto de silêncio. Faz tanto frio no inverno, diz o primeiro entrevistado de Brian J Smith, que até os cervos vão embora.

Projeto este exibido no SXSW (South by Southwest) de 2024, o documentário de Brian J. Smith é um retrato interno do lugar e uma carta de amor escrita em nome da comunidade para a qual tanto significou. “Estou aqui quase continuamente desde 1968”, diz o primeiro colaborador. “Para onde quer que eu olhe, vejo histórias.” Ele e seus parceiros se preparam para a festa: descobrindo o sofá e a piscina, arrumando a praia, hasteando a bandeira do arco-íris. “Parece um acampamento de verão gay”, diz outra pessoa, e à medida que os turistas começam a chegar lentamente, vemos a alegria em seus rostos, uma espécie de leveza, as pressões da vida cotidiana afastadas.

Há uma breve lição de história para os não iniciados, uma explicação de como esta pequena cidade numa pequena faixa de areia, a apenas 79 quilômetros da cidade de Nova Iorque, foi adoptada pela comunidade gay no rescaldo dos motins de Stonewall, no auge da discoteca, durante a revolução sexual. Não passa despercebido que alguns homofóbicos estão obcecados pela ideia de colocar todos os gays numa ilha (os nazis tentaram mesmo fazê-lo), mas provavelmente não pretendiam este resultado. Embora o filme aborde muitos tópicos diferentes, há temas que aparecem de forma consistente: a excitação da oportunidade sexual, a sensação de liberdade para se apaixonar (para o bem ou para o mal) e o prazer de simplesmente poder passear e interagir com estranhos sem que a sexualidade seja um grande problema.

A mágica não funciona para todos, e é bom ver Brian J. Smith, que não esconde seu apego pessoal ao local, se esforçando para incluir quem o vivencia de forma diferente. É um lugar espiritual, um lugar de transformação, diz uma mulher trans que descobriu que isso lhe dava a liberdade de se descobrir, mas outra diz que desde a sua transição se sentiu muito menos bem-vinda. Um negro com cabelo comprido expressa sentimentos semelhantes. Há uma discussão sobre o preconceito baseado na aparência, um problema também para a comunidade em geral. À medida que as pessoas envelhecem enquanto participam e organizam festas lá, o preconceito de idade não é tão óbvio como em muitos locais LGBTQIA+, mas ainda há uma sensação de que alguns dos participantes da geração mais jovem são presunçosos e desrespeitosos. Há uma diferença cultural aí também. Eles não sabem como foi viver durante os primeiros anos da AIDS; eles não sabem o preço que seus antepassados pagaram.

Para os idosos que visitam este lugar, os fantasmas são inevitáveis. Os mortos fazem falta, mas há uma sensação de que ainda estão na festa – e, claro, a sua influência está presente naquilo que ajudaram a construir. Para muitas pessoas que sofreram perdas horríveis, Pines foi o local onde procuraram apoio e recuperação e, como resultado, a comunidade herdou uma força e resiliência notáveis. É aqui que o filme encontra algo de significado social muito mais amplo, ao analisar como esta forma diferente de pensar afetou a resposta da comunidade às alterações climáticas.

À medida que o mar sobe, as tempestades aumentam e as marés ficam mais fortes, Fire Island está bem na linha de frente. A praia está sendo comida. Às vezes, o trabalho de um dia inteiro gasto na preparação para os eventos do dia seguinte pode ser eliminado da noite para o dia. A comunidade faz o trabalho de qualquer maneira. Essa sensação de efemeridade não assusta as pessoas. Simplesmente torna tudo mais precioso. Há uma sensação de viver o momento mas para o futuro, uma ligação profunda com a natureza e uma vontade de enfrentarmos juntos o que quer que aconteça, de construir e reconstruir sempre que for preciso. Não podemos deixar de sentir que isto é algo a que todos terão de se adaptar no devido tempo.

Como lidar com tais pressões? Pode não ajudar viver numa sociedade que não vê valor em nada além da produtividade. Se há uma mensagem final para este filme muito específico, mas abrangente, é que é importante festejar. A felicidade é importante. À medida que o sol se põe lentamente, a música toca em um pavilhão e uma vasta multidão dança na areia. A House is Not A Disco parece um vislumbre de um futuro possível. Os The Pines chegaram primeiro.

Avaliado em: 25 de março de 2024

LINK2;

03. Screen Narchy

Revisão do SXSW 2024: A HOUSE IS NOT A DISCO, queimando preconceitos. Brian J. Smith dirige uma carta de amor para Fire Island Pines, a lendária cidade praiana queer de Nova York.

Como você diz “eu te amo” para uma comunidade inteira?

O documentário teve a sua estreia mundial no SXSW 2024. O filme foi exibido nos dias 09, 10 e 14 de março.

Celebrando francamente o estilo de vida livre e aberto em Fire Island Pines, o diretor Brian J. Smith começa seu documentário silenciosamente com um dos poucos residentes da ilha durante todo o ano, acompanhado pelos sons das ondas batendo na praia, nuvens correndo pelo céu e vozes falando gentilmente.

É um momento que permite uma meditação pacífica e uma reflexão profunda, contemplando as glórias da natureza e o refúgio proporcionado pela aldeia às crueldades do mundo exterior. Logo, porém, os visitantes começam a chegar, prontos para festejar a noite toda e todos os dias em um lugar onde pessoas queer podem se entregar aos seus instintos mais hedonistas – ou não. Não há requisitos quanto ao comportamento; apenas relaxe e divirta-se.

Abordando inicialmente uma abordagem hagiográfica, retratando alegremente pessoas felizes dispensando suas roupas e fazendo o que querem, umas com as outras e umas para as outras, sob o sol ou dentro de casas lotadas de amigos e desconhecidos, Brian J. Smith aos poucos vai coletando histórias da grande variedade de indivíduos que retornam a Fire Island Pines ano após ano.

Os milhares de visitantes incluem muitas personalidades distintas que valorizam a oportunidade de relaxar em uma comunidade acolhedora. Eles falam sobre o que Fire Island Pines significa para eles, por que é tão importante e por que é tão valioso.

Eles também falam sobre como a cidade mudou ao longo dos anos. Em vez de documentar rigorosamente como a comunidade mudou ou traçar uma linha do tempo altamente pesquisada para destacar eventos importantes do passado recente (ou distante), o documentário está mais preocupado com o momento presente, o agora e com o que o futuro pode trazer. A ilha conseguirá manter o seu apelo? As pessoas continuarão a retornar para visitas prolongadas? O oceano continuará a levar a praia para o mar?

Este último é um ponto saliente, uma vez que vemos os efeitos das alterações climáticas, que afetam Fire Island, por vezes de forma drástica. O que pode ser feito sobre essa questão urgente?

Opiniões fortes são expressas de tempos em tempos, mas principalmente isso é o que eu chamaria de um documentário “suave”, um documentário para espectadores com ideias semelhantes mergulharem, deleitarem-se e recomendarem aos amigos. Como férias literais em uma cidade litorânea ensolarada, “A House Is Not A Disco” se estende e incentiva a apreciação por uma fuga agradável das preocupações cotidianas. E espere o melhor no futuro.

LINK3;

Nome do site: Brian J. Smith Brasil
Sigla do site: BJSBR
Domínio: brianjsmithbrasil.com
We’re NOT impersonating Brian J. Smith! Fã-site Webmaster: Luiz Carlos
Co-webmaster: Beatriz Russo
No ar desde: 2015
Visitas: contador de acessos
LOGIN © BRIAN J SMITH BRASIL 1 Online Desenvolvido por: MELISSA S. & UNI DESIGN.