Saiba como a série “World on Fire” destaca a história LGBTQ+ incontável
14.07
POSTADO POR Luiz
Compartilhe

Veja como a série “World on Fire” da BBC destaca a história da comunidade LGBTQ+ incontável:

Albert and Webster in World on Fire    

 

 

 

 

Webster (Brian J. Smith) e Albert (Parker Sawyer) do World on Fire, redefine a identidade queer nos tempos de guerra que são demonstrados ao percorrer da série.

Webster O’Connor (Brian J. Smith) e Albert Fallou (Parker Sawyers) do seriado World on Fire, possuem um relacionamento romântico que transcende a nacionalidade e a sua raça, porém a história ocorre em Paris em 1940, momento no qual apresenta perigos incalculáveis. Alguns podem ter uma ideia de como seu enredo pode terminar, mas em World On Fire garante que o público ainda possa manter a esperança através de emoções bem representadas e representações de suas vidas em Paris.

No episódio 1 da série, apresenta Webster como médico no hospital americano de Paris. Sua tia Nancy Campbell (Helen Hunt) avisa que a guerra está chegando, mas a sua tia acha que sua linha de trabalho a tornou excessivamente cautelosa por isso dos avisos. Quando Webster vai a um clube de jazz subterrâneo para aliviar o estresse do trabalho, ele vê Albert. Ele é fica instantaneamente atraído por Albert, apesar de vir e viver em mundos opostos.

De acordo com uma entrevista da BBC com Brian J. Smith, “Webster foi criado no Texas, que provavelmente tinha muitos tons raciais intensos… no entanto, em Paris e no clube de Albert, ele encontra um lugar onde pode ser ele mesmo e viver seu sonho”.

Albert é um famoso saxofonista e líder de uma banda parisiense. Em uma entrevista para a BBC, Sawyer o descreve como “… um jovem Kanye West em um clube que acontece, cheio de dançarinos e ele está no controle da festa. Webster entra e fica admirado com esse cara que é legal, confortável em sua pele, francês e encantador.” A música e as artes são os meios de subsistência de Albert, que fica a mundos de distância dos corredores estéreis do hospital em que Webster passa seu tempo.

Albert é claramente o espelho de gênero da história de Connie (Yrsa Daley-Ward), mas também seu oposto em termos de status militar e como eles definem suas nacionalidades. Isso é importante porque, como músico profissional, a guerra provavelmente terminaria a carreira de Albert. E Connie tem um forte sotaque de Manchester, enquanto Albert tem um leve traço de um sotaque não parisiense. Sua determinação em definir sua nacionalidade como francesa indica que ele provavelmente imigrou de uma ex-colônia. Antes da guerra, muitas pessoas das colônias se mudaram para Paris para melhorar as oportunidades educacionais e de emprego. Numa época em que vários movimentos nacionalistas despojavam legal ou socialmente a cidadania dos cidadãos naturalizados, Albert desafia essas tendências à sua maneira.

O romance iniciante de Webster e Albert nos episódios 2 e 3 ocorre durante um período comum de romance e o redefine. Assim como Caroline Penvenen de Poldark, usa uma desculpa de consulta médica para flertar com o Dr. Dwight Enys, Albert visita Webster no hospital depois de uma lesão, no entanto, o World on Fire rompe com outros dramas de época, normalizando expressões estranhas de afeto. A câmera não foge de Webster e Albert na cama juntos ou se beijando. Embora Albert e Webster precisem se distanciar em um banco do parque, o programa trata seu relacionamento com tanta simpatia quanto o casamento de curta duração de Kasia (Zofia Wichłacz) e Harry (Jonah-Hauer King). O público percebe que Webster está se apaixonando pela primeira vez e Albert está mostrando a ele como desfazer todos os anos de desejo reprimido.

Em poucos períodos de dramas anteriormente retratam as experiências de homens gays durante a Segunda Guerra Mundial. Em uma entrevista para a BBC, o roteirista Peter Bowker disse: “Esperamos agora que possamos contar uma história sobre dois gays que vivem durante a Segunda Guerra Mundial que não são sublimados em Brief Encounter”. Embora Home Fires combine experiências estranhas militares e civis, seus personagens estranhos são mulheres britânicas. Cabaret e Bent têm adaptações de teatro e cinema que apresentam a experiência gay alemã na qual a supressão do partido nazista foi implementada vários anos antes da guerra. A cuidadosa pesquisa de Bowker na época prova que apenas porque essas histórias não foram apresentadas antes, elas sempre estiveram lá, esperando para serem contadas.

A história de Albert também é uma oportunidade de explorar a identidade negra fora da história americana ou britânica. Os franceses também têm uma história muito longa com o colonialismo e a escravidão, mas as diferenças na estrutura do governo, cultura e religião alteraram o curso do colonialismo francês. Personagens negros em dramas de época são frequentemente enquadrados por lentes culturais americanas ou britânicas distintas. Embora alguns possam questionar a escolha da carreira de Albert como um tropo, Paris entre as guerras foi um refúgio para artistas como Josephine Baker, cujas carreiras foram atrofiadas pela segregação legal.

O episódio 4 trás um aspecto da guerra diretamente para Webster e Albert. O hospital já está mostrando sinais de influência nazista. Embora os americanos sejam oficialmente neutros neste momento da guerra, Webster está fazendo a escolha profissional de se alinhar com os exércitos anti-nazistas. As regras dizem que ele deve afastar pacientes judeus, mas ele os ignora. Ele ainda trata uma mulher judia grávida e apóia uma enfermeira judia que decide ficar e lutar.

No final do episódio, Albert encontra uma suástica pintada com sangue e a cabeça de um porco do lado de fora da porta. Albert percebe que seu espaço seguro em Paris está sob ataque, enquanto Webster ainda acredita que seu futuro juntos é brilhante.

Brian J. Smith disse: “Webster ainda é, para o bem ou para o mal, muito bom em manter esses antolhos, em manter qualquer ameaça afastada, porque foi assim que ele aprendeu a sobreviver”. O público se lembra de todas essas cenas do conselho da tia Nancy, mas vemos que Webster não conectou completamente os pontos.

 

FONTE;

 

DEADLINE: ‘Matrix 4’: Brian J. Smith de ‘Sense8’ se junta à sequência de longa da Warner Bros da diretora Lana Wachowski
24.02
POSTADO POR Luiz
Compartilhe

EXCLUSIVO: Brian J. Smith é o segundo ex-ator do seriado Sense8 a voltar a trabalhar com Lana Wachowski em Matrix 4 após a somatória de Eréndira Ibarra ao elenco.

Brian interpretou o policial de Chicago Will Gorski na série Netflix. Seu papel, está sendo mantido em sigilo pela Warner Bros, Village Roadshow devido a sequência do 4º filme da trilogia mundialmente famosa. Ele se juntará a Keanu Reeves (Neo), Carrie-Anne Moss (Trinity), Jada Pinkett Smith (Niobe), bem como aos novatos Priyanka Chopra, Jessica Henwick, Eréndira Ibarra, Neil Patrick Harris, Toby Onwumere, Andrew Caldwell e Yahya Abdul-Mateen II, que há rumores de estar interpretando o jovem Morfeu.

A atriz Jessica Henwick está empolgada por interpretar uma personagem Neo-feminina.

Lana Wachowski está dirigindo e co-escrevendo o roteiro com Aleksandar Hemon e David Mitchell. E a grande mentora também está produzindo com Grant Hill, produtor executivo de Matrix Reloaded e Matrix Revolutions. A trilogia Matrix acumulou mais de US$1,6 bilhões de dólares nas bilheterias globais. Matrix 4 chega aos cinemas em 5 de março de 2021.

Brian J. Smith

Brian J. Smith é estrela da série Treadstone nos EUA, uma ramificação da franquia Bourne da Universal do criador Tim Kring e Universal Cable Productions. Ele interpreta Doug McKenna, um trabalhador de plataforma de petróleo americano cuja vida muda depois que descobre verdades há muito enterradas sobre si mesmo. A série foi adquirida pela Amazon para distribuição global.

E ele também pode ser assistindo estrelando a série de drama da Segunda Guerra Mundial da BBC, World on Fire, que estreou em setembro no Reino Unido e foi adquirida pela PBS. Outros créditos de TV incluem Quantico, Gossip Girl e Stargate Universe.

No palco, ele foi visto recentemente como Chance Wayne no “Doce Pássaro da Juventude” (Sweet Bird of Youth) de Tennessee Williams, ao lado de Marcia Gay Harden no Chichester Festival Theatre em Londres, e recentemente reprisou seu papel de The Gentleman Caller no renascimento da Broadway de The Glass Menagerie de Tennessee Williams em extremo oeste.

Brian é representado pela equipe da Innovative Artists e Principal Entertainment LA.

FONTE;

 

MATRIX 4: Brian J. Smith é escalado para sequência da franquia
21.02
POSTADO POR Bia Russo
Compartilhe

Após a participação nas séries World On Fire e Treadstone, Brian J. Smith é confirmado para mais um projeto nessa última quinta-feira (20/2). O antigo policial Will Gorski de Sense8 agora fará parte do elenco da nova sequência de Matrix. Esse é o segundo trabalho de Lana Wachowski que contará com a presença do ator.

A produção de Grant Hill ainda terá diversos outros grandes nomes como Priyanka Chopra, Max Riemelt, Ibarra, Neil Patrick Harris, Toby Onwumere, Keanu Reeves e Carrie-Ann Moss. Alguns deles, inclusive, co-stares de Brian J. Smith também em Sense8.

A produção de Matrix 4 se iniciou em fevereiro desse ano e possui previsão de estreia aos cinemas para 21 de maio de 2021. Agora, é aguardar por mais informações!

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

I took the red pill. 😎

Uma publicação compartilhada por Brian J. Smith (@smithespis) em

Brian J. Smith estrela de “Sense8” relembra para a Attitude Magazine como foi crescer sendo gay e apavorado no subúrbio do Texas, EUA
07.11
POSTADO POR Luiz
Compartilhe

Brian J. Smith é matéria de capa da nova edição da Attitude Magazine, uma revista britânica de entretenimento destinada ao público gay ainda no formato impresso e online. Nela, são presentes duas matérias na qual o ator fala sobre sua sexualidade, passado no Texas e seus trabalhos na televisão. A baixo a tradução de uma delas:

Brian J. Smith estrela de “Sense8” (Netflix) relata como foi crescer sendo um jovem homossexual e apavorado no subúrbio do Texas, EUA. O ator de “World on Fire” (BBC One) e “Treadstone” (USA Network) revela como encontrou uma fuga no palco na edição de dezembro da Attitude, confira:

Com seus papéis de ação em Sense8, a série de spin-off Jason Bourne, Treadstone, e a atual trama sobre a Segunda Guerra Mundial, World On Fire, da BBC One, Brian J. Smith é a imagem de autoconfiança na tv.

Mas, crescendo na zona rural do Texas, à sombra do crescente conservadorismo dos EUA nos anos 80, a estrela indicada ao Tony Awards permaneceu se sentindo isolado das pessoas devido a sua sexualidade.

Enquanto ele posa para uma sessão exclusiva para a capa da edição de dezembro da Attitude – disponível para download e pedido em todo o mundo agora -, Brian que possui 38 anos, lembra que, muito antes de ser recebido na elite da indústria do entretenimento, encontrou a liberdade dos opressivos e ambiente alienígena de sua cidade natal através da atuação.

“Fiquei aterrorizado. Na escola, eu realmente não podia me encaixar em lugar algum. Eu não era um atleta ou um nerd”, disse ele.

“Esqueça qualquer união ou grupo LGBTQ. Não havia absolutamente nada. Eu estava completamente sozinho. Eu ouvia todos os nomes: bichona, viado”.

Assim como a maioria das crianças estranhas que crescem em cidades pequenas, Brian J. Smith nutria uma profunda consciência de sua diferença.

“Eu nunca poderia ser quem eu era. Eu estava constantemente tendo que me controlar e me certificar de que não estava olhando para alguém por muito tempo ou fazendo com que alguém se sentisse desconfortável. Eu tive que ter muito, muito cuidado em contar às pessoas a verdade sobre mim. Ainda reverbera. Muito do meu trabalho é sobre isso. As coisas que me emocionam como ator são os ecos que surgem.”

Havia um lugar onde ele podia escapar daqueles sentimentos isolantes: dentro do palco.

“Na frente de uma platéia, eu desapareci e me tornei outra pessoa. Eu tinha 600 colegas de escola, e todos provavelmente pensaram que eu era um idiota absoluto, um nerd. No palco, eles prestaram atenção em mim e viram que eu tinha alguma coisa. E foi aí que não me senti mais sozinho.”

Como se viu, a família de Brian acabou aceitando de forma mais agradável do que ele esperava quando revelou sua sexualidade para eles, com 30 anos. (em meados de 2011)

“Eu estava surpreso. Quando saí para ver os meus pais, eles foram maravilhosos. Eles disseram que estavam apenas esperando que eu dissesse alguma coisa a eles. E eles eram muito mais avançados do que eu acreditava. Eu acho que foi quando eu fiquei bem com isso também. Apenas em termos de “Oh, esse é o mundo, não é tão perigoso quanto eu pensava.”

Sua grande chance veio com o Sense8, um dos programas mais ambiciosos – e caros – da Netflix, que girava em torno de oito estranhos que der repente se vêem mental e emocionalmente ligados. A série foi cancelada após apenas duas temporadas, embora os protestos dos fãs tenham convencido a gigante da produção a encomendar um especial de retorno.

“Eu me lembro de estar tão relaxado”, afirma Brian, refletindo sobre as diversas filmagens com o elenco.

“Eu pensava: ‘Finalmente posso ser eu mesmo, não preciso expor nenhuma destas pessoas.”

Com a série Sense8, Brian pensou que havia alcançado novos patamares em sua carreira. Mas seus papéis atuais em World on Fire da BBC e Treadstone da USA Network – programado para chegar ao Reino Unido no Amazon Prime Video em 10 de janeiro de 2020 – são evidências de que ele chegou totalmente como um dos novos protagonistas da televisão de sua geração.

Então, o que ele diria àquele garoto de 10 anos do Texas que se sentiu perdido e isolado?

“Eu apenas o abraçaria e diria que ‘está tudo bem’, disse Brian, reflexivo.

“Eu não tinha pessoas suficientes para me dizer: ‘Você não precisa ser alguém diferente, você não precisa mudar quem você é’, afirmou.

“O que esse garoto de 10 anos de idade precisava era de alguém para buscá-lo e dizer: ‘Você é perfeito como é, está tudo bem'”.

FONTE

Confira o vídeo dos bastidores da entrevista e do ensaio fotográfico do ator, clicando a seguir:

TREADSTONE: A estreia da nova série de Brian J. Smith
01.10
POSTADO POR Bia Russo
Compartilhe

Como muitos já sabem, a série Treadstone é o próximo trabalho de Brian J. Smith a ter a sua estreia na televisão. O primeiro episódio vai ao ar no próximo dia 15 de outubro através da plataforma USA Network e irá introduzir ao público o universo de Jason Bourne.

O ator irá interpretar o papel de Doug McKenna, um operário de plataforma de petróleo americano que vê a sua vida mudar após descobrir algumas verdades sobre si mesmo. Ele ainda atua ao lado de artistas como Jeremy Irvine (Mama Mia) que interpretará J. Randolph Bentley, um dos espiões da CIA.

Diversos teaser e imagens já foram divulgados e com eles podemos ver muita ação por meio de um clima mais obscuro. Confira o trailer principal:

Durante os últimos meses também acompanhamos a passagem de Brian J. Smith por Budapest, na Hungria, onde aconteceram as gravações. O que possibilitou os cenários lindos e solitários de gelo que se adequaram perfeitamente a trama em seus novos vídeos. Por último, o ator passou pela Colômbia. Mal podemos esperar para conhecer as imagens do local. 

Pela direção de Tim Kring, o mesmo da série “Heroes”, Treadstone é baseada nos antigos filmes de Jason Bourne. Sendo eles “A identidade Bourne” (2002), “A Supremacia Bourne” (2004) e “O Ultimato Bourne” (2007). Além do filme derivado “O legado Bourne” (2012) e o mais atual deles “Jason Bourne” (2016), todos estrelados por Matt Damon e renovados devido ao sucesso que conquistaram.

O personagem é um agente da CIA inserido na operação Treadstone. Um programa de treinamento que utiliza um protocolo de modificações comportamentais para criar assassinos profissionais frios, calculistas e quase imperceptíveis. A série, por sua vez, irá explorar a operação nos dias atuais, no qual precisamente acompanhará esses “agentes adormecidos”, espalhados por todo o mundo, à medida que “acordam” para dar seguimento às suas missões na operação.

Essa será uma série de ação com influências do terror. Ela foi feita para aproximar o universo de Jason Bourne aos dias de hoje, com uma pegada futurista e moderna. Como a própria sinopse antecipa, ainda poderemos ver Brian J. Smith viajando o mundo, como antes fazia para as gravações de Sense8.

“Treadstone segue a ação ao redor do globo – de D.C para Berlim para Paris e além. 

O primeiro episódio entra para a plataforma USA Network no próximo dia 15/10 às 10 horas da noite no horário dos Estados Unidos.

Nome do site: Brian J. Smith Brasil
Sigla do site: BJSBR
Domínio: brianjsmithbrasil.com
We’re NOT impersonating Brian J. Smith! Fã-site Webmaster: Luiz Carlos
Co-webmaster: Beatriz Russo
No ar desde: 2015
Visitas: contador de acessos
LOGIN © BRIAN J SMITH BRASIL 2 Online Desenvolvido por: MELISSA S. & UNI DESIGN.