ENTREVISTA: Brian J. Smith fala com muita sinceridade sobre a série Sense8 para a TV Series HUB
12.08
POSTADO POR Luiz
Compartilhe

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Eu tive o grande privilégio de entrevistar uma das estrelas do clássico culto da Netflix, Sense8, o Brian J. Smith, que interpretou Will. Pude perguntar a ele sobre a sua experiência trabalhando com um elenco muito grande e trabalhando com as diretoras lendárias, Lana e Lily Wachowski. É o que ele tinha a dizer. Espero que você goste e queira assistir a série na Netflix depois de conhecê-lo melhor.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Como você ouviu falar sobre Sense8?

Brian J. Smith: Me lembro que estava fazendo The Glass Menagerie na Broadway, acho que foi no inverno de 2013 ou 2014. Foi um momento muito feliz da minha vida e sabia que tudo o que fiz depois dessa peça seria um passo importante para mim. Meu agente me chamou um dia e mencionou algo sobre a Netflix e as Wachowskis e lembro-me de algo sobre isso, um combo emocionante. Ironicamente, ao mesmo tempo, eu estava bastante perto de reservar uma série de rede de grande orçamento e eu tive que decidir entre Sense8 ou este outro trabalho. Não foi concurso, na verdade. E foi a melhor decisão que já fiz. Sense8 não era uma decisão de carreira, era uma decisão de vida.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Como que era trabalhar com as Wachowskis?

Brian J. Smith: Não há nada como elas. Certamente, nada como a Lana. Ela não tem medo. Acho que ela é um pouco de um viciado em adrenalina. Lembro-me de filmar a última cena da temporada 1, que o longo helicóptero disparou com o barco saindo para o pôr-do-sol na Islândia. Tivemos um link com ela no barco para que pudéssemos ouvir tudo o que ela estava dizendo ao operador da câmera e ao piloto de helicóptero. E eles não conseguiram chegar perto do barco para ela, ou estavam suficientemente baixos o suficiente para a água, ou rápido o suficiente. Nós estávamos rindo como burros porque o helicóptero ficaria impossivelmente perto do barco e você poderia ver esses dredds cor de rosa pela janela e nós sabíamos que ela estava no céu porque aquele helicóptero se tornou seu pincel. É com isso que é com a Lana. E Lilly foi tão incrivelmente doce. Odeio falar por ela, mas sei que ela estava à beira da transição quando estávamos fazendo a temporada 1. Não consigo imaginar o que era para ela. Nós sentimos muita falta dela.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Como você conseguiu parte?

Brian J. Smith: Na verdade, era bastante indolor. Eu gravei algumas cenas na minha mesa da cozinha e então ouvi uma semana depois que eles queriam que eu voltasse para Chicago para encontrá-las. Sem testes de rede, sem espera de aprovação de financiadores, nenhuma dessas besteiras. Isso é o que é fantástico sobre a Netflix. Eles deixam os diretores sozinhos e deixam que eles tenham seu processo. É tão diferente de como o resto da indústria é executado.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: O que o levou ao papel?

Brian J. Smith: Bem, eu não sabia muito sobre o papel além dos lados da audição e depois um pouco mais tarde de um primeiro rascunho dos três primeiros episódios. Mas eu imediatamente respondi à maneira como elas pareciam estar explorando a empatia e a identidade e o estilo de filmagem realmente cinético que seria necessário para retirá-lo. Além disso, viajar para todo o mundo. Eu sabia que essa seria uma experiência de vida diferente de qualquer outra coisa que eu faria, como realmente uma oportunidade única de ver o mundo. Novamente, foi um trabalho que me mudou completamente. Isso nos mudou.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Quais eram algumas das dificuldades de filmar Sense8?

Brian J. Smith: Eu acho que na segunda temporada foi muito mais difícil porque não entramos como novatos. Tivemos uma memória muito clara sobre o que 8 meses de jet lag, longas horas no set, estar longe de casa e tudo isso realmente sentiu como, então nós CONHECEMOS o que nós estávamos nos fazendo entrar. Além disso, a segunda temporada foi ainda mais ambiciosa do que a primeira temporada. As reescritas eram bastante estressantes, especialmente para alguém como eu que gosta de sentir-se preparado. Eu tinha que deixar isso, o que era difícil. Todos atingimos um ponto de ruptura ou tiveram um momento de “Eu quero esse passeio”, pelo menos uma vez. Como, fiquei surpreso quantas vezes minha coragem física foi testada. Eu tenho medo de alturas e também estou aterrorizado por estar debaixo d’água. Eu era capaz de enfrentar a questão das alturas, mas não a questão da água. Foi humilhante enfrentar esses medos e não poder conquistá-los, especialmente em frente a uma tripulação de 150 pessoas. Também especialmente porque Lana realmente não tem fobias como essa, e acho que ela tem uma tolerância bastante baixa para as pessoas que não estão interessadas em superar a merda que os retém.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Como a filmagem de Sense8 era diferente do teatro?

Brian J. Smith: Diferente de todas as formas possíveis! O teatro é um evento que acontece em um lugar fixo, mas usa magia de palco para fazer você pensar que está acontecendo em outro lugar. Sense8 literalmente ocorre em todo o planeta. O mundo realmente foi nosso palco. O público vê Berlim ou Mumbai como eles realmente são hoje, ao invés de uma concepção de designer de Berlim ou Mumbai. Ambos são válidos e bonitos. Apenas diferente.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Como era ser capaz de retratar tantos personagens e pessoas diferentes?

Brian J. Smith: Essa é a grande coisa sobre ser um ator. Nós conseguimos afastar nossas próprias realidades diárias e tentamos entender a alteridade. É um privilégio, uma coisa muito rara. Você pode realmente ver e sentir empatia na ação.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Qual país era seu favorito para filmar?

Brian J. Smith: Berlim foi uma revelação para mim. Adorei a vida noturna e adorei a atitude das pessoas lá. Eu fiz muitos amigos lá. Há uma abertura e indiferença, franqueza e seriedade que é tão diferente da América que eu realmente tomei. Eu também acho que a Islândia era um lugar muito poderoso, para todos nós. Olhando para trás, acho que a Islândia era o local onde todos estavam no seu melhor por algum motivo. As minhas lembranças mais felizes do show estão todas conectadas com o Rekjavic (Islândia) e os lugares bonitos que filmamos lá. Era indescritivelmente especial.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: O que você aprendeu sobre você trabalhando em um show como Sense8?

Brian J. Smith: Eu acho que o maior take-away para mim foi que, após Sense8, insisto absolutamente em trabalhar em material que tenha um propósito espiritual. Eu não posso mais tomar decisões de carreira mercenárias, como trabalhar por dinheiro ou porque seria “bom” para minha carreira. Sou mais sensível ao que a experiência do projeto pode ser, mesmo que isso signifique não poder comprar uma casa ou qualquer outra coisa. Eu aprendi que existem pessoas lá no setor que estão fazendo shows de um lugar humanístico e esses são os quartos em que eu quero estar. Se eu tiver a menor sugestão de que eu possa estar trabalhando para pessoas que estão nele outros motivos, eu estou fora de lá tão rápido.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: O que você aprendeu ao trabalhar com atores de tantos países diferentes?

Brian J. Smith: Bem, atores são apenas contadores de histórias, na verdade. E isso é o mesmo em todo o mundo. A boa atuação parece a mesma coisa aonde quer que vá. Todo mundo está contra as mesmas coisas. Os mesmos hang-ups, o mesmo medo de não ser suficientemente bom, também o mesmo potencial para ser incrível. Está realmente conectado com a mensagem do show. Que, mesmo que procedamos de culturas diferentes, todos estamos tentando lidar com o que significa ser humano e esse processo parece ser o mesmo.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Alguém ficou ferido(a) durante as gravações?

Brian J. Smith: Algumas vezes, mas nada muito sério. Doona torceu o tornozelo muito ruim durante a temporada 1 em São Francisco, na sequência em que ajudamos a personagem de Jamie a escapar de alguns policiais em um beco. Rasguei um tricep e enrolei meu ombro na cena com Naveen na loja de conveniência. Também tivemos um dublê de um golpe bastante brutal no rosto durante a cena final da luta no Especial do Natal. Mas há muita violência no show e essas coisas são inevitáveis. Nosso departamento de acrobacias é o melhor do mundo e eles fazem um trabalho notável, mantendo todos seguros.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Você fez suas próprias acrobacias?

Brian J. Smith: Lana gosta dos atores para fazer suas próprias lutas o máximo possível, especialmente se a câmera estiver próxima da ação. Com frequência, os dublês fazem algumas tomadas nas gravações mais amplas porque são tão bons em vender a fisicalidade. Mas além disso, Lana realmente gosta de nós lá fazendo essas coisas, especialmente se estamos um pouco preocupados ou temerosos. Mais uma vez, ela gosta de pessoas para enfrentar essas inseguranças e espera descobrir que elas são muito mais capazes do que pensam que são.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Quão difícil era filmar as sequências onde todo o cluster estava envolvido?

Brian J. Smith: Era principalmente difícil para a produção, porque juntar todos nós é como reunir gatos. E quando você tenta nos juntar de uma maneira assim, tendemos a ter dificuldade em evitar rir. Especialmente durante as cenas grupais de sexo.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Quanto tempo durou o processo de filmagem?

Brian J. Smith: Eu acho que entorno que foram nove meses para a segunda temporada. A primeira temporada foi um pouco menor, mas não muito.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Qual foi a parte mais extenuante? Mais gratificante?

Brian J. Smith: A parte mais extenuante foi provavelmente o tempo de espera no set. Lana estava improvisando muito e nos manteria em espera, caso ela pudesse apertar uma ideia. Às vezes, você esperaria o dia inteiro ou a noite toda e não se usaria, o que poderia ser difícil de lidar. Especialmente quando você já está mal-humorado e jato defraudado. Mas você não podia se irritar demais porque sabia que ela estava trabalhando mais do que ninguém e frequentemente ia para casa e escrevia depois de passar 17 horas no set, então talvez tenha quatro horas de sono e depois faça tudo de novo. Eu não sei como ela fez isso. Mais gratificante foram as festas envolventes. Ninguém faz festas como Sense8.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Como os fãs foram?

Brian J. Smith: Nunca vi nada dessa base de fãs. Eu subo no metrô todos os dias aqui em Nova York, e não passa um dia sem que três ou quatro pessoas chegassem e queriam falar sobre o show por viagem de metrô! O show é como seu pequeno segredo, e é feito que eles se sintam vistos. Todos parecem ter sido muito conscientes de sua alteridade durante toda a sua vida, e, de repente, esse show acontece que comemora isso e promete que a sua alteridade é o que os torna incríveis. É um show para nós, loucos e eu adoro isso.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Por que você acha que eles conseguiram que a Netflix mudasse a mente deles sobre um especial?

Brian J. Smith: Eles lutaram por isso e eles não desistiram. Acho que Trump foi eleito, tinha algo a ver com isso, para ser honesto. Ele não apenas acionou a sua base; Ele nos forçou a todos a acordar e perceber que não podemos aceitar o que adoramos sobre nossa cultura. Eu acho que as pessoas der repente se tornaram muito mais conscientes de sua alteridade e isso foi assustador. E então, um show como Sense8 é cancelado e foi demais. Especialmente durante a temporada de orgulho gay! Fiquei chocado com o impacto emocional do protesto e o quão persistente era. Tomado em contexto com o que está acontecendo politicamente em todo o mundo de hoje, isso faz muito sentido. Nós, os loucos, estamos lutando de volta à nossa maneira.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Por que você acha que o show foi cancelado?

Brian J. Smith: Penso que há uma contradição inerente e trágica no show. Contar com a história corretamente implica uma grande quantidade de viagens e infra-estrutura e talento, e isso é incrivelmente caro. E, ao mesmo tempo, o show se recusa a obedecer a qualquer uma das regras que você deve seguir para fazer um show “popular”. Penso que, por essa razão Sense8 é notável pelo que não faz tanto quanto o que faz. Não há violação no show. O elenco não é predominantemente branco, ou mesmo americano para esse assunto, o que é um grande problema se você está tentando fazer com que os americanos vejam. Não utilizamos a narrativa tradicional da TV. Não representamos relacionamentos LGBTQ como disfuncionais ou estranhos. Quero dizer, eu poderia continuar e continuar, mas o problema antigo é inevitável: o comércio em algum momento tem que apanhar a arte e a Netflix não viu os números que precisava ver para sustentar o orçamento. Mas o fato de que eles ouviram seus assinantes e fez um assunto tão público diz muito sobre sua ética como uma empresa.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Você acha que haverá temporadas mais completas?

Brian J. Smith: Não vou nem tentar prever o futuro do show. Nunca pensei que a especial de 2 horas era possível, mas aqui estamos. Se as pessoas observam, e quero dizer uma quantidade verdadeiramente gentil de pessoas, provavelmente faremos mais. Mas quem sabe.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Por que você acha que Sense8 tocou tantas pessoas diferentes?

Brian J. Smith: Ironicamente, por todas as razões, não tocou tantas outras pessoas diferentes: porque não é para todos. Sua estranheza e dificuldade tornam mais preciosa para as pessoas que se conectam à ideia de alteridade.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Por que você acha que trouxe tanta gente juntos?

Brian J. Smith: Porque era tudo o que estávamos tentando fazer; Aproximar as pessoas. Nós não fizemos isso para ganhar dinheiro ou para ganhar prêmios. Fizemos isso para pessoas que pensávamos que poderiam encontrar algum consolo nele.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Os fãs de Sense8 são diferentes dos fãs para shows regulares?

Brian J. Smith: Haha veja tudo acima.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Existe alguma mensagem que você deseja dar aos fãs?

Brian J. Smith: Gostaria apenas de agradecer e vamos trabalhar o nosso culto para fazer o especial de 2 horas merecendo a luta que todos vocês colocaram.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Existe alguma coisa que você deseja que as pessoas conheçam sobre o show?

Brian J. Smith: Na verdade não. Eu acho que isso fala por si mesmo. Estou ansioso para ver o que a próxima geração chegará pensa nisso, na verdade. Eu acho que eles vão ver isso com olhos diferentes e frescos.

Entrevistador(a) da TV Series HUB: Há alguma palavra final que você deseja que os fãs conheçam sobre você?

Brian J. Smith: Nah. Está tudo na tela.

 

Tradução da entrevista completa foi feita pela equipe Brian J. Smith Brasil. Esperamos que gostem e que se encantem com o modo de visão do Brian sobre o projeto que o mudou e mudou a sua vida.

FONTE;

Nome do site: Brian J. Smith Brasil
Sigla do site: BJSBR
Domínio: brianjsmithbrasil.com
We’re NOT impersonating Brian J. Smith! Fã-site Webmaster: Luiz Carlos
Co-webmaster: Beatriz Russo
No ar desde: 2015
Visitas: contador de acessos
LOGIN © BRIAN J SMITH BRASIL 2 Online Desenvolvido por: MELISSA S. & UNI DESIGN.