Posts filed into "Peça de Teatro"
Brian J. Smith atuará na peça Sweet Bird of Youth com Marcia Gay Harden
01.05
POSTADO POR Bia Russo
Compartilhe

Sweet Bird of Youth é sobre uma lenda de Hollywood, cujo filme de retorno é um desastre, então ela viaja sob um pseudônimo encontrando bebida e drogas em seu caminho.

“1956. Um hotel no golfo do México. Alexandra Del Lago (Marcia Gay Harden), uma lenda de hollywood, fugiu do ridículo que era receber a estreia de seu filme de volta. Desesperada por anonimato e esquecimento ela se esconde em uma pequena cidade a beira-mar.

Com ela está Chance Wayne – um jovem prostituto, que está tentando encontrar a sua desperdiçada e desonesta vida, algum significado ao voltar para casa para reclamar seu amor de infância vindo de seu cruel pai, o policial corrupto ‘Boss’ Finley.”

Em sua mais abrasadora e pessoal das peças, Tennessee Williams – um dos maiores escritores do século 20 – examina falhas ambições, juventude e amor perdidos, a corrupção e intolerância que espreita o Sonho Americano.

Como os tempos de hoje que o Estados Unidos encara sem certezas ou momentâneas mudanças, Sweet Bird Of Youth é um retrato da degradação dos valores americanos e a corrosiva atração por celebridade.

Jonathan Kent volta para o teatro Chichester – ao sul de Londres – seguindo seu grande sucesso com Gypsy e the Young Chekhov Trilogy para dirigir essa negligenciada obra-prima, com um elenco de estrelas, liderado por dois dos maiores atores americanos de palco e de tela.

A celebrada ganhadora do Oscar e Tony Award, Marcia Gay Harden, faz sua estreia no teatro como Alexandra.  Seus filmes incluem Miller’s Crossing, Pollock e Mystic River. Ela ganhou o Tony Award por God of Carnage. Brian J. Smith que atua como Chance na peça, ganhou sua nomeação ao Olivier Awards pela peça de Tennessee Williams The Glass Menagerie em West End em 2017. Ele também pode ser visto nas telas estrelando em Sense8, série da Netflix.

O elenco completo para o Sweet Bird of Youth de Tennessee Williams no Chichester Festival Theatre foi anunciado.

Se juntará com Marcia Gay Harden, que foi ganhadora de um Tony Awards e ao Brian J. Smith que foi nomeado ao Olivier Awards 2017 e ao Tony Awards 2014, os atores e atrizes Hester Arden, Matthew Barker, Victoria Bewick, Alex Bhat, Ray Emmet Brown, Ingrid Craigie, Joy Cruickshank, Tim Francis, Kurt Kansley, Rob Ostlere, Sam Phillips, Daniel Tuite e Ewart James Walters.

A peça é dirigida por Jonathan Kent e estará em exibição a partir do dia 9 de junho.

Sweet Bird of Youth (Doce pássaro da Juventude para português) será exibido no Chichester Festival Theatre – ao sul de  Londres – nos dias 9 a 24 de Junho e começando as suas primeiras prévias no dia 2 de Junho.

 

 

ENTREVISTA: Brian J. Smith para o Theatre London
01.04
POSTADO POR Luiz
Compartilhe

Em uma nova entrevista divulgada pelo o setor mediático inglês, o Brian concede algumas informações sobre a peça e conselhos. Leia a seguir a matéria da entrevista traduzida.

Theatre.london> O que há de novo> Brian J Smith: The Glass Menagerie “realmente visa assombrar você”

A estrela do EUA trouxe a sua nomeação ao Tony Awards e seu desempenho para Londres e o poder do teatro.
TL: Não é muito frequente que um ator admita que a peça em que está estrelando pode causar uma auto-agressão. A estrela americana Brian J. Smith, que está atuando como o Gentleman Caller em The Glass Menagerie, está feliz em quebrar esse molde. Por quê? Por causa do excepcional trabalho do diretor John Tiffany. 
Sem isso, diz ele, a peça pode ser muito deprimente. É difícil discutir com ele. A história, que ajudou a tornar o nome do dramaturgo Tennessee Williams, não é felizSegue-se uma família em que a mãe anseia por os luxos que ela está perdida, o filho está preso em um trabalho que ele odeia, e a irmã é prejudicada pela insegurança e pela baixa auto estimaMas nada melhora
No entanto, Brian J. Smith, uma ex-estrela da franquia Stargate Universe que lidera o elenco da drama da Netflix Sense8, retornou para a produção da peça em Londres e por ter impressionado o público e os juízes do Tony Award em Nova York. Por quê? Porque o coração da peça é muito afetuoso. E porque o diretor John Tiffany da peça Harry Potter e a Criança Amaldiçoada,tem trabalhado a sua magia teatral sobre ele.
TL: O que o público pode esperar de The Glass Menagerie?
Brian J. Smith: Eles podem esperar para deixar o teatro com seus corações abertos um pouco. Apenas um pouco abalado, mas movido por algo muito bonito. Alguns shows quer impressioná-loEles são muito intelectuais e eles jogam com sua mente. Este não é esse tipo de experiência. Este realmente pretende assombrá-lo.
TL: Como você se sentiu na sua estreia no West End?
Brian J. Smith: É algo que eu sabia que chegaria por um tempo, mas não sei me sentir real até a nossa primeira prévia. Você está sempre se perguntando: “Como eles vão reagir a nós aqui?” Como são o público londrino e o que vai tirar para este show? Como são audiências de Nova York vai levar a este show.” É sempre a nosso favor. Eu acho que é porque amamos o show tanto. Eu acho que as pessoas entendem e sentem o cuidado que temos pela peça. Eles respondem a ele.
Quando isso terminou em Nova York, eu sabia que eu não estava satisfeito com o término dele. Foi um momento tão especial na minha vida, fazendo desta peça nos Estados Unidos. Você raramente muito na vida tem a oportunidade de revisitar algo que significou muito para você. É quase como voltar para onde você passou verões de sua infância.
TL: Por que outro renascimento de The Glass Menagerie?
Brian J. Smith: Primeiro, este é definitivamente [o Diretor da peça Harry Potter e a Criança Amaldiçoada] uma produção de John Tiffany. Ele traz esse sentido de elevar e magia e compaixão e truques no palco para o show que pode fazer uma peça de outra forma e muito sombrio do trabalho em algo que é bonito. O que John viu na peça é algo a ver com a beleza de nostalgia. O lado realmente prazeroso e doloroso de olhar para trás em algo que aconteceu em sua vida. Ele transformou isso em algo que só pode existir em um palco. 
TL: Quão importante você acha que é que o show está vendendo 20.000 bilhetes por £ 20 (euros) ou menos?
Brian J. Smith: Eu acho que é incrível. Acho que é muito importante que nos asseguremos de que as próximas gerações venham e vejam as peças/os shows, se inspirem e queiram fazer parte do mundo do teatro. Fazer bilhetes acessíveis desta forma é parte disso. Em Nova York, os ingressos podem ser de US $200 ou US $300 para assentos de back-row. Eu acho que é ótimo trazer o show para Londres e ter que ser onde estudantes, baristas, qualquer um pode vir e ver a peça. É feito para todos. Eu não acho que o teatro deve ser uma experiência elitista. 
TL: Será que você quis ir ao teatro quando era adolescente?
Brian J. Smith: Na verdade não. Meninos do Texas não iam muito ao teatro. Embora na escola, quando eu comecei a me interessar pelo teatro, tivemos muitos teatros realmente grandes em Dallas. Eu vi uma bela produção de A Gaivota. Eu posso lembrar quase tudo sobre ele. Os sentimentos que me fez sentir foram tão maravilhosos. Eu não sabia que era possível. Eu estava maravilhado com o que eles fizeram.
Eu sempre me lembro disso. Às vezes eu me viro para trabalhar e estou cansado ou tenho um resfriado e eu penso: “Como vou andar nesse palco e dar alguma coisa?” Então eu lembro que há pessoas naquela audiência como que tem 16 anos de idade  e que eu tenho a possibilidade de dar a eles a mesma sensação que eu tive. Isso me acorda imediatamente e realmente me deixa animado para sair e compartilhar algo com eles.
TL: Como é assistir ao teatro que você ama?
Brian J. Smith: Vi Hedda Gabler no National depois do ensaio uma noite, que eu simplesmente amei. Sinéad Matthews deu um desempenho surpreendenteSeu coração partido, a emoção.. ela estava tremendo. Isso é o que o teatro faz de uma maneira que nada mais pode. Você vê uma pessoa real na frente de você ter uma experiência e não pode ajudar, mas abra seu coração e o humaniza. Seu rosto é algo que eu nunca vou esquecer. É por isso que vou ao teatro e é isso que me inspira a fazer teatro.
TL: Se você pudesse dar um conselho aos aspirantes e aos atores, o que seria? 

Brian J. Smith: Você tem que encontrar maneiras de manter a sua mente e o corpo saudáveis. Yoga é algo que me manteve realmente saudável e se encaixam em uma boa maneira. Você precisa ter essas práticas espirituais em sua vida, porque você pode se perder muito facilmente, especialmente nos momentos em que você não está trabalhando, o que pode ser frequente.Você realmente tem que tomar uma decisão. Os atores que eu vi ir e ganhar a vida são aqueles que teimosamente disseram: “Isso é o que estou fazendo. Isto é o que eu sou. “Eles ficaram presos com ele em face de muita rejeição, incerteza e completa pobreza abjeta. Eu estive lá. Por alguma razão eu só tinha aquela pequena voz na minha cabeça dizendo: “Eu estudei. Eu me sacrifiquei. Eu fiz tudo. Eu me coloquei nessa posição e meu Deus vou segui-la.”

 

Brian J. Smith ficará com a peça “The Glass Menagerie” em West End no teatro Duke of York’s, em Londres até o dia 29 de Abril.

FONTE;

ENTREVISTA: Brian J. Smith fala sobre The Glass Menagerie para a Broadway Style Guide
17.02
POSTADO POR Bia Russo
Compartilhe

A Broadway Style Guide, portal de noticias online, liberou hoje (16/02) uma nova entrevista com Brian J. Smith em que o ator fala sobre sua peça que está atualmente em cartaz em Londres, The Glass Menagerie. Ele também participou de uma sessão de fotos que acompanhou a matéria e elas já se encontram na nossa galeria e você pode conferir aqui.

Brian J. Smith: Chamada de Londres

Para Brian J. Smith não tem nada como performar ao vivo. Ele tem estado nas telas da TV por um tempo na série de ficção da Netflix, Sense8, que foi pego para a segunda temporada e está emocionado de estar voltando aos palcos com The Glass Menagerie. Smith apareceu por último na Broadway em uma produçaõ de John Tiffany, ele esta voltando para a peça e produção e agora sua co-star de West End Cherry Jones. A peça está em cartaz no teatro Duke Of York em Londres. “É melhor do que sexo”, o ator fala sobre teatro ao vivo.

Broadway Style Guide conversou com Smith sobre suas histórias, regime de exercícios, e o que uma noite na cidade se parece para ele e Jones.

Você está prestes a entrar em Londres para a sua estreia em West End com The Glass Menagerie. Qual a sua ideia de tarde perfeita em Londres?

O Hyde Park é o meu lugar preferido de Londres, então eu aposto que nessa tarde eu iria estar por lá com um café e alguma música boa, apenas me perdendo. Eu gosto de permanecer ativo quando estou me apresentando em teatro e entrar em uma bom treino é minha terapia. Você também me encontrar fazendo um pouco de yoga ou correndo pelo Tamisa se não estiver chovendo.

Qual sua ideia de noite fora perfeita com sua co-star Cherry Jones? Em qual problema você se prevê entrando?

Eu tenho certeza que iriamos achar algum bar perto do teatro Duke Of York, algum pub com nome chique e uns bons matinis. A parceira da Cherry, Sophie, iria estar escapando com frequência para visitar e nós três como sempre viveríamos uma ótima noite – especialmente quando tem um bom steak envolvido. Nós provavelmente iriamos empurrar as horas um pouco se for um sábado a noite desde que domingo seja nosso dia de folga.

Se você pudesse ir a algum lugar quieto e nunca mais ser incomodado de novo, onde seria e quais itens essenciais você precisaria para se manter ocupado?

Eu iria achar uma cabana nos Montes Apalache com uma vista limpa ao oeste. Tudo o que eu precisaria seria um cachorro, acesso ao spotify, bons alto-falantes, uma esteira de yoga e meu iPad cheio de ótimos livros.

Você tem um ótimos seguidores no Instagram. Qual o seu mais culpado prazer no Instagram?

Eu sou tímido com câmeras, então eu na verdade prefiro não estar nas fotos, mas eu sei  que as pessoas seguem o seu Instagram para ver VOCÊ, não apenas fotos de arte e por do sol. Ainda assim, eu realmente amo tirar fotos cuidadosamente compostas de cenas da cidade a noite, especialmente se vem chovendo, tem tido uma vibe John Grimshaw. Minha cadela, Cassie, faz algumas aparições memoráveis também. Eu tive que colocar mais que poucos dos dentes dela saltados, então a língua um pouco mais pra cima, mas ela não podia ligar menos. Ela ama a câmera.

Você e seus colegas do elenco tiveram que mostrar um pouco de pele na sua série da Netflix, Sense8. Qual o seu segredo para estar pronto na frente das câmeras?

Realmente uma forte rotina diária de yoga com alguns dias de treinamento pesado no meio. Eu acho que um proporção de 3:1 é ideal. Também, achei alguns ótimos videos no youtube de um menino chamado Brendan Meyers, sua rotina de abdômen é matante e geralmente duram menos de seis minutos. É tudo o que você precisa – por outro lado  no começo você explode e pode parecer muito volumoso. Me levou um tempo para achar o equilíbrio.

Você nasceu no Texas. O você ama/ou odeia sobre ser do estado de artistas solitários?

Tem um número surpreendente de texanos na industria. Um número desproporcional, na verdade. Eu sempre me perguntei sobre isso. Eu acho que é porque o Texas é muito carregado de contradições, e texanos como eu que trabalha nas artes trazem isso para fora. Nós somos dependentes, fomos criados bem, nós não gostamos de “balançar o barco”. Mas também somos competitivos, e temos um senso de culpa ou vergonha que não podemos explicar.

Se você pudesse ter a carreira de outro ator, quem seria e porque?

Cherry Jones – sem dúvidas. Ela irá te dizer e eu acredito nela, que ela é a atriz que é hoje por causa de todos os anos que ela gastou longe de Nova York no teatro American Repertory, interpretando as ótimas partes, viajando e se apaixonando e aprendendo a pressão de ter uma série ou filme chegando. Tudo isso – e claro aquela coisa misteriosa que ela tem. Chamada mágica. Mas ela é feliz, e ela tem uma ótima vida e ela é tão amorosa com todos que trabalha e tiveram a chance de vê-la performando. Ela me ensina tanto, e eu continuo sem acreditar que eu posso passar alguns momentos com ela no palco todas as noites.

ENTREVISTA: Brian J. Smith conta sobre sua peça e seu trabalho como ator
10.02
POSTADO POR Bia Russo
Compartilhe

Exclusivamente para o veículo Theatre London, Brian J. Smith conta um pouco sobre o seu trabalho, teatros em geral, mostra como peças conseguem ser ricas em emoções e como é mágico receber e também passa-lás ao público. Leia a matéria traduzida a seguir:

Brian J. Smith: The Glass Menagerie “realmente pretende assustar vocês”

O ator estadunidense relata sobre trazer sua performance com indicação ao Tony para Londres e o poder do teatro.

Não é sempre que o artista admite que a peça em que está estrelando pode causar auto-agressão. Ator americano Brian J. Smith, que atua como o Gentleman Caller em The Glass Menagerie, está feliz em quebrar esse padrão. Por que? Por causa do trabalho excepcional do diretor John Tiffany.

Sem isso, ele diz, a peça podia ficar toda muito depressiva. É difícil argumentar com ele. A história, que na ação foi ajudada pelo nome de Tennessee Williams, não é uma história feliz. Segue a familia em que a mãe anseia pela luxuria em que está perdida, o filho está preso em um emprego que odeia, e a irmã é aleijada pela insegurança e baixa auto-estima. Enquanto o personagem de Brian, envolto em uma promessa que ele irá poder mudar tudo isso. Mas nada melhora.

Ainda Brian J Smith, formado como uma estrela de Stargate Universe que entrou para o elenco da série de drama da Netflix Sense8, retorna a produção em Londres tendo uma altíssima audiência – e Tony Awards jugou – em Nova York. Por que? Porque o coração da peça é tão afetuoso. E porque o diretor de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, Tiffany trabalhou sua mágica teatral nela.

O que a audiência pode esperar de The Glass Menagerie?

Eles podem esperar deixar o teatro um pouco de corações abertos. Só um pouco abalados, mas movidos por algo muito bonito. Algumas peças querem te impressionar. Elas são bem intelectuais e elas brincam com a sua mente. Essa não tem esse tipo de experiência. Ela realmente pretende te assombrar.

Como você se sente sobre fazer sua estréia em West End?

É algo novo que eu sabia que estava chegando por um tempo, mas não senti algo até nossa primeira prévia. Você está sempre pensando, “Como eles vão reagir a nós aqui? Como vai ser a audiência de Londres para o show? Como a audiência de Nova York vai ser para essa peça”. Sempre tem sido ao nosso favor. Eu acho que é porque a gente ama tanto a peça e eu acho que as pessoas entendem e sentem o cuidado que temos com ela e eles respondem a isso.

Quando terminamos em Nova York, eu soube que eu não tinha terminado com ela ainda. Foi um período muito especial na minha vida, fazer isso, atuar no States. Você raramente tem a oportunidade de revisitar algo que significou tanto na sua vida. É quase como ir onde você passava o verão em sua infância.

Poque fazer outra vez o The Glass Menagerie?

Primeiro, essa é definitivamente uma produção de John Tiffany [diretor de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada]. Ele trás esse senso de elevação, magia, compaixão e truques para o show que pode trazer uma forma mais sombria de trabalhar com algo que é bonito. O que o John viu na peça foi algo relacionado a beleza da nostalgia. O agradável e doloroso lado de olhar para o passado em algo que aconteceu nas suas vidas. Ele tornou isso algo que só pode existir em um palco.

Quão importante você acha que é o show estar vendendo 20,000 entradas por £20 ou menos?

Eu acho incrível. Eu acho realmente importante termos certeza que a próxima geração venha e assista peças, são expiradas e queiram fazer parte do mundo do teatro. Vender entradas acessíveis desse jeito é parte disso. Em Nova York, as entradas podem ser de $200 ou $300 para assentos na parte de trás. Eu acho ótimo trazer o show para Londres e ter os preços em que estudantes, baristas, todo mundo possa vir e assistir a peça. É feita para todos. Eu não acho que o teatro deveria ser uma experiencia elitizada.

Você ia ao teatro quando era adolescente?

Na verdade não. Jovens garotos do Texas não iam muito para o teatro. Porém no high school, quando eu começei a me interessar pelo teatro, nós tínhamos muitos ótimos teatros em Dallas. Eu vi uma bela produção do The Seagull. Eu me lembro de quase tudo. Os sentimentos eram tão maravilhosos. Eu não sabia que aquilo era possível. Eu estava maravilhado com o que eles fizeram.

Eu sempre me lembro disso. Ás vezes eu me viro para trabalhar e estou cansado ou pequei um resfriado e eu penso, “como eu vou entrar no palco e dar alguma coisa?” Então eu me lembro que tem pessoas na platéia assim como eu com 16 anos e eu tenho a possibilidade de dar a eles os mesmos sentimentos que eu tive. O que me acorda imediatamente e realmente me deixa animado para entrar lá e compartilhar algo com eles.

Como é assistir teatro que você ama?

Eu vi Hedda Gabler no National uma noite depois do ensaio, no qual eu simplesmente amei. Sinéad Matthews deu uma ótima performance. Seu coração partido, as emoções… ela estava tremendo. É isso que o teatro faz de uma forma que nada mais consegue. Vôce vê uma pessoa atual na sua frente tendo uma experiência e não pode ajudar, mas abre o seu coração e te humaniza. A cara dela vai ser algo que nunca vou esquecer. É por isso que eu vou ao teatro e é isso que me inspira nele.

Se você pudesse dar um pequeno conselho para um ator novo, qual seria?

Você tem que achar maneiras de mante a mente e o corpo saudáveis. Yoga é algo que me manteve muito são e em forma de uma boa forma. Você precisa ter essas praticas espirituais na sua vida porque você pode se perder muito fácil, especialmente em momentos que você não está trabalhando, que podem ser bem frequentes.

você realmente precisa tomar decisões. Os atores que eu vi indo e tendo uma vida são os que tiveram teimosamente que dizer, “Isso é o que estou fazendo. Isso é o que eu sou”. Eles tem ficado presos nisso mesmo com todas as rejeições, incertezas e pobreza absoluta. Eu estive lá. Por não sei quais razões eu só tive aquela voz na minha cabeça dizendo “Eu estudei. Eu me sacrifiquei. Eu fiz tudo. Eu me coloquei nessa posição e meu deus eu vou seguir com isso”.

FONTE;

GALERIA: Brian J. Smith na noite de abertura de The Glass Menagerie em Londres
06.02
POSTADO POR Luiz
Compartilhe

Na última quinta-feira, 2 de Fevereiro aconteceu a grande abertura da peça “The Glass Menagerie” no teatro The Duke of York’s em Londres.

Uma pessoa da nossa equipe assistiu a peça no sábado (28.01) e foi a terceira prévia da peça e já estava incrível e adoramos ver o Brian cantando, atuando, rindo, momentos inexplicáveis.

Na noite da quinta-feira, a apresentação teve o seu maior público voltado para o centro mediático inglês e que rendeu boas críticas para a imprensa e alguns sites deram 5 estrelas para o espetáculo e outros 4 estrelas. Ou seja a peça teve uma grande apresentação e estamos na torcida para que nesse ano o Brian seja nomeado para alguns prêmios e que ele consiga levar algum pra casa!

Veja a seguir algumas fotos em LQ E MQ, que conseguimos do Brian na festa de lançamento da peça até agora.

INICIO > APARIÇÕES & EVENTOS | APPEARANCES & EVENTS > 2017 > NA NOITE DE ABERTURA DE THE GLASS MENAGERIE EM LONDRES – 02 DE FEVEREIRO

john-tiffany-director-and-brian-j-smith-gentlemen-111444.jpgDW_glass_menagerie_1042.jpgmichael-esper-tom-wingfield-sonia-friedman-producer-and-111450.jpgbrian-j-smith-gentlemen-caller-and-kate-oand39flynn-laura-111441.jpgDW_glass_menagerie_1025.jpg

Nome do site: Brian J. Smith Brasil
Sigla do site: BJSBR
Domínio: brianjsmithbrasil.com
We’re NOT impersonating Brian J. Smith! Fã-site Webmaster: Luiz Carlos
Co-webmaster: Beatriz Russo
No ar desde: 2015
Visitas: contador de acessos
LOGIN © BRIAN J SMITH BRASIL 1 Online Desenvolvido por: MELISSA S. & UNI DESIGN.