Molly Parker, Brian J. Smith, Stephen McHattie, Finlay Wojtak-Hissong e Kevin Durand lideram o elenco de Essex County (5×60), EP e First Generation Films (FGF) CEO Christina Piovesan anunciou hoje. Baseado na graphic novel de Jeff Lemire, Essex County é uma série limitada que segue as vidas entrelaçadas de duas famílias que vivem em uma comunidade rural. A série explora como a perda, a traição e o trauma podem impactar gerações e como a redenção pode ser encontrada através da conexão humana.

ITV Studios e Media Musketeer Studios lançarão o show internacionalmente no MIPCOM. A série limitada estreia no Canadá na CBC e CBC Gem no inverno de 2023.

“Esta história emocionalmente poderosa e imaginativa de perda e solidão na zona rural de Ontário fala ao nosso desejo universal de melhor entender e nos conectarmos uns com os outros em nossas próprias famílias e comunidades, e mal podemos esperar para ver esse elenco excepcional trazer os personagens e a visão de Jeff. à vida”, disse Sally Catto, gerente geral de entretenimento, fatos e esportes da CBC.

“É um verdadeiro privilégio trazer a história profundamente íntima, emocional e redentora de Jeff e Eilis para o público em todos os lugares”, disse Julie Medal-Johnsen, EVP Global Content da ITV Studios. “Estamos confiantes de que nossos compradores apreciarão o quão especial e único o Condado de Essex é, realmente não há mais nada no mercado como este.”

“Desde a primeira conversa com Christina Piovesan sobre o Condado de Essex, a Media Musketeers Studios quer ajudar a levar essa bela história para as telas de todo o mundo”, disse Chris Law, sócio-gerente da Media Musketeers Studios. “Não poderíamos ter encontrado um parceiro mais entusiasmado do que a ITVS, que imediatamente se apaixonou pelo projeto e compartilhou nossa visão quanto ao seu apelo internacional.”

“Anos em produção, é minha emoção e honra trazer a amada graphic novel de Jeff para a tela”, disse a produtora executiva e CEO da First Generation Films, Christina Piovesan. “Eu não poderia estar mais orgulhoso da equipe que montamos e sou muito grato pelo apoio inabalável de nossos parceiros da CBC, Media Musketeers e ITV Studios.”

Alastrando em escopo, mas intensamente íntimo, Essex County é escrito pelo criador Jeff Lemire (Sweet Tooth; Black Hammer; Secret Path) e Eilis Kirwan (The Whistleblower; Nurses) e dirigido pelo vencedor do Emmy, Andrew Cividino (Schitt’s Creek, Sleeping Giant). A produção terminou em 30 de setembro em North Bay, Ontário.

Apesar das aparências de uma comunidade unida, muitos dos moradores do Condado de Essex estão isolados e solitários. Lester (Finlay Wojtak-Hissong), de onze anos, foi morar com seu tio Ken (Brian J. Smith) após a morte de sua mãe. Ken, um agricultor estóico, deve lidar com sua própria dor e medos enquanto cria Lester, mesmo quando Lester procura um pai em Jimmy (Kevin Durand) – um homem que mal consegue cuidar de si mesmo.

Anne (Molly Parker) uma enfermeira e mãe que, depois de uma vida inteira cuidando dos outros, se vê em uma encruzilhada quando sua filha sai para a universidade.

Quando Anne assume os cuidados de seu tio distante, Lou (Stephen McHattie), que está sofrendo de demência e os fantasmas de seu passado, ela começa a desenterrar segredos de família. É através de Lou e Lester que o espectador entra em um mundo de realismo mágico – o presente de Lou começa a se fundir com seu passado e ele literalmente assombra suas próprias memórias; Lester escapa para seu mundo imaginário enquanto luta para superar sua dor esmagadora.

CRÉDITOS

O showrunner/EP/escritor Jeff Lemire é o premiado autor best-seller do New York Times de novelas gráficas como Sweet Tooth, Essex County, Underwater Welder e Mazebook, bem como co-criador de Black Hammer, Gideon Falls, Descender, The Bone Pomar, e muitos outros. Ele trabalhou extensivamente para a Marvel e DC Comics e seus romances gráficos foram traduzidos para dezenas de idiomas, estabelecendo-o como um dos criadores de quadrinhos mais prolíficos e celebrados de sua geração. Muitos de seus livros estão em desenvolvimento, incluindo Descender na NBC Universal com Lemire como produtor executivo. Sweet Tooth foi adaptado em uma popular série original da Netflix produzida por Susan e Robert Downey Jr., e Essex County está atualmente em pós-produção com Lemire escrevendo, executando e produzindo.

Molly Parker, Brian J Smith

A EP/Roteirista Eilis Kirwan é uma escritora premiada de Dublin, Irlanda, onde começou a escrever peças na University College Dublin. Ela veio para os EUA como bolsista da Fulbright e recebeu seu MFA em Cinema pela Universidade de Columbia. Seu filme de graduação, Nostradamus And Me, foi finalista do Student Academy Awards. Kirwan passou a co-escrever o premiado The Whistleblower, estrelado por Rachel Weisz e Vanessa Redgrave, que estreou no TIFF em 2011. Kirwan escreveu e desenvolveu vários longas-metragens, pilotos e minisséries, além de trabalhar como produtor supervisor e escritor em Nurses for Global/NBC.

EP/Diretor Andrew Cividino é escritor, diretor e produtor de Toronto. Começou sua carreira dirigindo comerciais e curtas-metragens que ganharam reconhecimento internacional após ganhar prêmios no TIFF e Locarno. O longa de estreia de Cividino, Sleeping Giant, abriu a competição na edição de 2015 da Semaine de la Critique em Cannes. O filme ganhou mais de uma dúzia de prêmios, incluindo prêmios no TIFF, VIFF, Munique e Mumbai. Ele foi nomeado Artista Residente da TIFF e foi diretor frequente de Schitt’s Creek, pelo qual ganhou um EmmyÒ de Outstanding Achievement for Direction em 2020.

Molly Parker (Anne) é uma atriz e diretora indicada ao Emmy e SAG, conhecida por séries como House of Cards, Deadwood, Lost in Space, Dexter e The Accused, que será lançado em breve. Os recursos incluem Pieces of a Woman, Jockey, The Center of the World, Kissed e Peter and Wendy and The Mothership, que será lançado em breve.

Brian J. Smith (Ken) é conhecido por seu papel como Will Gorski em Sense8 da Netflix; o tenente Matthew Scott na série Stargate Universe da Syfy; e por seu papel indicado ao Tony Awards como Jim O’Connor no revival de 2013 de The Glass Menagerie na Broadway.

Stephen McHattie (Lou) é um prolífico ator canadense que acumulou mais de 200 créditos no cinema e na televisão, incluindo Orphan Black, Emily of New Moon, Cold Squad, Seinfeld e muitos mais. Ele ganhou um Genie Award (CSA) de Melhor Ator Coadjuvante por sua atuação em The Rocket e um Gemini Award for Life with Billy.

Finlay Wojtak-Hissong (Lester) começou sua carreira de ator aos oito anos de idade e é conhecido por The Kindness of Stranges, Blood, Dreamkatcher e Robin Wright pela estreia na direção de Land. Sem alteração: Finlay Wojtak-Hissong (Lester) começou sua carreira de ator aos oito anos de idade e é conhecido por The Kindness of Stranges, Blood, Dreamkatcher e Robin Wright pela estreia na direção de Land.

Kevin Durand (Jimmy) pode ser visto em Locke & Key, X-Men Origins: Wolverine, Resident Evil: Retribution, Ballers, Robin Hood e Lost. Ele recentemente estrelou Monstro do Pântano e acaba de ser anunciado que Durand se juntou ao elenco de Reino do Planeta dos Macacos. Sem alteração: Kevin Durand (Jimmy) pode ser visto em Locke & Key, X-Men Origins: Wolverine, Resident Evil: Retribution, Ballers, Robin Hood e Lost. Ele recentemente estrelou Monstro do Pântano e acaba de ser anunciado que Durand se juntou ao elenco de Reino do Planeta dos Macacos.

Encomendado pela CBC e produzido em associação com ITV Studios e Media Musketeers Studios, Essex County é produzido por Jeff Lemire, Eilis Kirwan, Christina Piovesan e Andrew Cividino. Jeff Lemire é o showrunner; a série é escrita por Jeff Lemire e Eilis Kirwan; André Cividino é o diretor. Para a CBC, Sally Catto é gerente geral de entretenimento, factual e esportes; Trish Williams é Diretora Executiva de Conteúdo com Script; Sarah Adams é Diretora de Produções Atuais, Drama. ITV Studios lida atualmente com a futura distribuição internacional.

FONTE;

A estrela de ‘Lost in SpaceMolly Parker e Brian J. Smith de ‘Treadstone‘ liderará o drama canadense da ITV Studios: ‘Essex County‘.

Brian J. Smith foi escalado para a série “Essex County” e irá interpretar “Ken“. A temática da série será baseado nos desenhos gráficos de Jeff Lemire, uma minissérie que segue as vidas entrelaçadas de duas famílias canadenses que vivem em uma comunidade rural. Lançamento: 2023, pela ITV Studios.

A série de cinco episódios é baseada na graphic novel de Jeff Lemire com o mesmo nome, que explora temas de perda, traição, trauma e redenção por meio de duas famílias que vivem em uma comunidade rural. Lemire também está escrevendo e dirigindo a série, que é dirigida por Andrew Cividino (“Schitt’s Creek”). Eilis Kirwan é co-escritora e produtora executiva.

A Trilogia “Essex County” é uma coleção de três histórias gráficas curtas situadas no Condado de Essex, Ontario. De autoria de Jeff Lemire e publicadas originalmente em 2011 pela Top Shelf Productions. As três pequenas histórias são “Tales from the Farm“, “Ghost Stories“, e “The Country Nurse“.

Molly Parker (“Lost in Space”) e Brian J. Smith (“Treadstone”) foram escalados para o próximo drama canadense da ITV Studios “Essex County”. Juntando-se a eles como elenco principal estão Stephen McHattie (“October Faction”), Finlay Wojtak-Hissong (“Blood”) e Kevin Durand (“Pantheon”). Christina Piovesan, produtora executiva e CEO da First Generation Films revelou o elenco.

 

Após a morte de sua mãe, Lester (Wojtak-Hissong), de 11 anos, vai morar com seu tio Ken (Smith), um agricultor estóico, que deve criar Lester enquanto lida com sua própria dor. Lester logo se volta para Jimmy (Durand) como um pai substituto, embora Jimmy mal possa cuidar de si mesmo. Enquanto isso, Anne (Parker) está lutando para cuidar de seu tio Lou (McHattie), bem como a síndrome do abandono afetivo, enquanto sua filha vai para a universidade.

Através de Lou e Lester, o público entra em um mundo de realismo mágico enquanto o presente de Lou se funde com seu passado, enquanto Lester escapa para sua imaginação em uma tentativa de escapar de sua dor.

A produção terminou em Ontário no mês passado e o show será lançado na Mipcom na próxima semana pela distribuidora ITV Studios e Media Musketeers Studios.

Está programado para estrear na CBC e CBC Gem no próximo inverno no hemisfério norte, sendo em 2023.

“Esta história emocionalmente poderosa e imaginativa de perda e solidão na zona rural de Ontário fala ao nosso desejo universal de melhor entender e nos conectar uns com os outros em nossas próprias famílias e comunidades, e mal podemos esperar para ver esse elenco excepcional trazer os personagens e a visão de Jeff. à vida”, disse Sally Catto, gerente geral de entretenimento, fatos e esportes da CBC.

Julie Medal-Johnsen, vice-presidente executiva de conteúdo global da ITV Studios, acrescentou: “É um verdadeiro privilégio trazer a história profundamente íntima, emocional e redentora de Jeff e Eilis para o público em todos os lugares. Estamos confiantes de que nossos compradores apreciarão o quão especial e único o ‘Essex County‘ é, realmente não há mais nada no mercado como isso. ”

Chris Law, sócio-gerente da Media Musketeers Studios, disse: “Desde que falou pela primeira vez com Christina Piovesan sobre o Condado de Essex, a Media Musketeers Studios quis ajudar a trazer essa bela história para as telas de todo o mundo. Não poderíamos ter encontrado um parceiro mais entusiasmado do que a ITVS, que imediatamente se apaixonou pelo projeto e compartilhou nossa visão quanto ao seu apelo internacional.”

Até o presente momento não há notícias de compradores americanos pela série, apenas canadenses. Aguardaremos mais notícias.

 

FONTE;

Reuniremos todas as informações acerca do filme Matrix 4 com o nosso querido Brian, em um só post.

Após a participação nas séries World On Fire e Treadstone, Brian J. Smith foi confirmado para o elenco do filme: Matrix 4.

O antigo policial Will Gorski de Sense8 agora fará parte do elenco da nova sequência de Matrix. Esse é o segundo trabalho de Lana Wachowski que contará com a presença do ator.

A produção de Grant Hill ainda terá diversos outros grandes nomes como Priyanka Chopra, Max Riemelt, Ibarra, Neil Patrick Harris, Toby Onwumere, Keanu Reeves e Carrie-Ann Moss. Alguns deles, inclusive, co-stares de Brian J. Smith também em Sense8.

A produção de Matrix 4 se iniciou em fevereiro de 2020 e que possuía previsão de estreia aos cinemas para 21 de maio de 2021, foi alterado para 22 de dezembro de 2021 nos Estados Unidos e na plataforma de streamming HBO Max.

Confira as primeiras imagens tiradas durante os bastidores das gravações em 2020 do filme com Brian.

b1285a06f307b3e7f4e146d050b6c56a.jpggyukyjh-2~0.jpgThe_Matrix_Resurrections-681322375-large.jpg
INICIO > FILMES | MOVIES > THE MATRIX 4: RESURRECTIONS (2021) > 

BASTIDORES DE GRAVAÇÃO | 2019/2020

Durante as apresentações dos títulos cinematográficos da Warner Bros exibido durante a #CinemaCon, Matrix 4 ganhou título oficial e se chama “The Matrix Resurrections” e teve o seu trailer exibido no local ontem (24 de agosto, 2021).

Siga o Instagram oficial do filme, clicando no link!

Siga o Twitter oficial do filme, clicando no link!

O perfil ainda está privado ao público, no entanto, já temos noção de que o trailer oficial está perto de ser anunciado ao público.

Atualização – 25/08/2021.

Na data do dia 09 de setembro, finalmente o trailer oficial foi lançado, confira:

A franquia do filme até possui um site, acesse: https://www.matrixresurrections.net/

E acompanhe as redes sociais do filme no Instagram.

Confira as capturas de tela do trailer oficial em nossa galeria e confira os momentos que o ator Brian J. Smith aparece rapidamente no trailer oficial:

INICIO > FILMES | MOVIES > THE MATRIX 4: RESURRECTIONS (2021) > SCREENCAPS DO TRAILER OFICIAL #1

vlcsnap-2021-09-11-21h04m29s583_28229.pngvlcsnap-2021-09-11-21h04m38s807~0.pngvlcsnap-2021-09-11-21h06m38s547.png

PT: No mês de maio de 2021 tivemos o azar de perder o nosso perfil no Instagram (@brianjsmithbrasil), que no qual foi deletado pela plataforma Instagram por violação de direitos autorais.

E gostaríamos de informar que o ocorrido nos deixou desmotivados e frustrados após árduos anos de trabalho de conteúdo no perfil do Instagram que possuía mais de 11 mil seguidores e o tão sonhado “seguindo” do Brian pelo qual conquistamos após anos de conteúdo a ele, sem mencionar que erámos seguidos por muitas pessoas da equipe de Sense8, familiares e amigos do Brian… ainda não acreditamos que isso aconteceu conosco e precisávamos nos pronunciar.

Ressaltamos que o nosso perfil no Instagram começamos no ano de 2015 e por publicarmos vídeos da série Sense8 e que foi o motivo pela exclusão do nosso perfil por parte do Instagram sem aviso prévio ao nosso perfil.

Dessa maneira, gostaríamos de informar que criamos um novo perfil no Instagram: @brianjsmithbra!

Somos um fã site dedicado ao ator norte-americano Brian J. Smith no ar desde 2015 e permaneceremos atualizando vocês através das nossas redes sociais:


🌐 Twitter: @BrianJSmithBRA, antigo @BrianJSBrasil.

📫 Facebook: https://www.facebook.com/brianjsmithbra/

📸 Instagram: @brianjsmithbra 

📸 Galeria de fotos: https://brianjsmithbrasil.com/galeria

🖥️ Site: https://brianjsmithbrasil.com/

 

EN: BJSBR PRONOUNCEMENT – INSTAGRAM

In May 2021 we were unlucky enough to lose our instagram profile (@brianjsmithbrasil), which was deleted by the Instagram platform for copyright infringement.

And we would like to inform you that what happened left us unmotivated and frustrated after hard years of content work on the instagram profile that had more than 11,000 followers and the long-awaited “following” of Brian that we conquered after years of content to him, without to mention that we were followed by many people from the Sense8 team, Brian’s family and friends… we still don’t believe this happened to us and we needed to speak up.

We emphasize that our profile on instagram started in 2015 and because we published videos from the Sense8 series and that was the reason for the exclusion of our profile by instagram without prior notice to our profile.

Thus, we would like to inform you that we have created a new Instagram profile: @brianjsmithbra!

We are a fan site dedicated to the American actor Brian J. Smith on air since 2015 and we will keep updating you through our social networks:

🌐 Twitter: @BrianJSmithBRA, antigo @BrianJSBrasil.

📫 Facebook: https://www.facebook.com/brianjsmithbra/

📸 Instagram: @brianjsmithbra 

📸 Galeria de fotos: https://brianjsmithbrasil.com/galeria

🖥️ Site: https://brianjsmithbrasil.com/

World On Fire: novo drama épico da BBC One do escritor multi-premiado Peter Bowker;

Entrevista com Brian J. Smith:

Brian J. Smith interpreta Webster O’Connor em World On Fire.

BBC: Qual foi a característica de Webster que te atraiu para o papel?

Brian: O que realmente me emociona sobre Webster é que ele se encontrou em Paris. Ele escapou de uma educação familiar militar bastante opressiva e intolerante. Eles o amam, mas não o entendem, e ele descobriu que Paris é o lugar onde ele é o melhor de si. Ele está vivendo em um mundo de sonhos.

Fiquei fascinado com alguém que encontra o sonho e então o sonho começa a desmoronar e se desgastar. Vemos esse indivíduo que está apenas tentando manter seu sonho vivo, mesmo quando está se dissolvendo ao seu redor. Acho isso muito emocionante e emocionante de tocar, e também relevante para o que está acontecendo no mundo no momento. Acho que muitas pessoas sentem que o mundo que conhecemos está desaparecendo lentamente e estamos tentando lutar para mantê-lo vivo.

BBC: Pensamos na guerra que tira as liberdades, mas para algumas pessoas, isso proporcionou um ambiente para elas encontrarem a liberdade. Isso é verdade para o seu personagem Webster?

Brian: O engraçado da guerra é que, apesar de toda a tragédia e o coração partido que a rodeia, isso força a maioria das pessoas a serem possivelmente melhores. Os livros que li para minha pesquisa explicam como a guerra traz o melhor e o pior das pessoas. As pessoas ainda se apaixonam e ainda querem manter vivo seu sonho particular. Uma situação de guerra, por mais terrível que seja, oferece às pessoas normais a oportunidade de serem extraordinárias, o que pode não acontecer em tempos de paz. Pode ser um catalisador para trazer o melhor que a humanidade pode ser.

BBC: Como o Webster acaba conhecendo o Albert?

Brian: Webster visita um clube subterrâneo, um clube de jazz muito permissivo administrado por Albert. E o Webster foi criado no Texas, que provavelmente tinha muitos tons raciais intensos. Com sua sexualidade, Webster teve que diminuir a temperatura – no entanto em Paris e no clube de Albert, ele encontra um lugar onde ele pode ser ele mesmo e viver o seu sonho. Ele vê esse homem bonito, que em todos os sentidos é o oposto de quem ele deveria amar. Ele foi ensinado desde os primeiros tempos em que se lembra de que sentimentos como os dele estão errados.

BBC: Quais foram os efeitos de conhecer Albert e se apaixonar o Webster teve?

Brian: O relacionamento deles é tão bonito porque Albert sabe quem ele é, enquanto Webster ainda está se descobrindo. Eu sempre penso em Webster como se fosse um cachorrinho perto de Albert. Ele se torna um adolescente apaixonado e é tão adorável colocar esse tipo de pura inocência e atração erótica no quadro desse terrível e terrível fluxo de eventos que está acontecendo no mundo. Faz com que esses eventos pareçam mais perigosos e faz com que esse amor e essa conexão pareçam mais vitais porque eles estão muito ameaçados.

BBC: Quando o pai de Webster vai visitá-lo, você sente que ele está sendo atraído de volta para o mundo em que não deseja voltar. O que acontece?

Brian: Webster cresceu no Texas sendo um homossexual com uma família militar e uma cultura muito masculina. Quando você é educado dessa maneira, o sistema nervoso fica muito bom em piscar os olhos e ver apenas o essencial para sobreviver. À medida que o mundo começa a se intrometer em Webster e Albert, o Webster ainda é, para o bem ou para o mal, muito bom em manter esses antolhos (significado: limitar sua visão e forçá-lo a olhar apenas para a frente, e não para os lados, evitando que se distraiam ou se espantem e saiam do rumo) e em manter qualquer ameaça afastada, porque foi assim que ele aprendeu a sobreviver. Infelizmente, tem algumas conseqüências trágicas involuntariamente.

image image

BBC: Como você difere a série World on Fire de outros dramas da Segunda Guerra Mundial?

Brian: Os dramas de época costumam ter muitos clichês. Você pode cair em armadilhas. Pensamos que sabemos como as pessoas conversaram e pensamos que sabemos como as pessoas se comportaram e o que elas queriam. Até certo ponto, mas muito disso nos é transmitido por filmes e fotografias.

Essas são ótimas fontes, mas o que eu amo na série de Peter é que se baseia na ideia de que a natureza humana é essencialmente inalterada. As pessoas que somos hoje, nossos ritmos de fala, nossos sonhos e nossos desejos seriam muito semelhantes às pessoas da época. Peter não escreveu isso de uma maneira que pareça empolgada e séria. Fomos encorajados a abordar nossas performances, o visual e a música de uma maneira que tente evocar a emoção de como eram os tempos. É uma coisa realmente inteligente a ser feita, porque estamos tentando encontrar uma maneira de fazer com que isso pareça contemporâneo, para que os problemas e o perigo que estava acontecendo naquela época possam parecer muito relevantes para o que está acontecendo conosco hoje.

BBC: O que era importante para você, no aspecto de transmitir através do relacionamento entre o seu personagem Webster e de Albert?

Brian: No que se diz respeito à relação entre Webster e Albert, pensei que era muito importante estar ciente da tensão entre liberdade e paranoia. Ser homossexual naquela época era impensável; a homossexualidade era ilegal. Isso foi visto como uma doença e você foi ensinado que desde tenra idade, portanto, seu sistema nervoso fica estressado de uma maneira que tem ramificações para o resto de sua vida.

Embora Webster e Albert morem na Paris liberal, tentamos brincar com a tensão entre amar abertamente e publicamente alguém, mas sabendo que eles nem conseguem se tocar em público – isso cria segredos entre as pessoas. De certa forma, eles se tornam sua própria resistência, especialmente quando os nazistas chegaram e é o amor deles que luta contra os nazistas. Segurar isso é o jeito deles de sacudir os punhos contra o fascismo e a crença nazista.

BBC: O que você mais gostou durante o período de trabalho ao lado de Parker Sawyers?

Brian: Foi um sonho. Alguma coisa acontece com Parker enquanto você está atuando com ele. Falaremos sobre hip-hop e rap um minuto, depois nos prepararemos para a cena e, como tudo está se acalmando, o rosto dele – e acho que nunca vi isso antes com outro ator – muda de dentro. Isso acontece talvez mais de cinco segundos e Albert apenas aparece de dentro para fora dessa maneira muito gentil.

É tão fácil se apaixonar por ele. Agir com alguém com quem você sente que pode estar seguro e reproduzir o tipo de cenas que temos que fazer exige um tipo de intimidade e vulnerabilidade. Isso pode ser realmente difícil se você sentir que está lidando com um ator que se sente desconfortável com o assunto ou se o faz pelas razões erradas. Eu não poderia ter escolhido ou pedido alguém que apenas faça tudo parecer tão fácil e divertido ao mesmo tempo, porque nós realmente nos divertimos muito. Mesmo que seja uma cena bastante intensa, em nossos intervalos temos lágrimas escorrendo pelo rosto, rindo, apenas rindo um do outro.

BBC: Quem é Nancy para Webster?

Brian: Nancy é tia de Webster. E Webster olhou para Nancy como uma figura maior do que a vida que sempre voltava para visitar e trazer brinquedos / presentes de suas viagens. Ele sente um parentesco com ela e eles compartilham uma inquietação; uma necessidade de estar fora do mundo e uma necessidade de não viver uma vida convencional. Ele diz a ela bem cedo em um telefonema que sempre seremos parecidos: “Você e eu sempre estaremos correndo atrás de perigo”. É possivelmente por isso que Webster se tornou médico e por que ele quer ficar em Paris, porque existem algumas pessoas que realmente correm o risco. Ele recebe isso de Nancy, dessa mulher misteriosa que entrou e saiu de sua vida tantas vezes.

BBC: A música será um grande aspecto ao decorrer da série. Você já ouviu alguma música da época?

Brian: É muito importante para mim montar uma lista de músicas do Spotify que sejam descritivas do personagem ou evocativas da época ou músicas que eu acho que o personagem realmente adoraria.

Há algumas peças que realmente falam comigo. Há a sonata para violoncelo de Rachmaninoff. É esta bela gravação com Yo-Yo Ma e Emanuel Axe. O violoncelo e o piano me lembram Albert e Webster. É algo que eu ouço algumas vezes, se eu precisar pegar imediatamente uma emoção em uma cena. Isso alimenta seus sentimentos um pelo outro. É algo que você não consegue entender com palavras, mas a música consegue. Há uma música, Cavalleria Rusticana, que para mim parece o relacionamento de Webster com Paris. É apenas uma música arrebatadora, quase brega, mas tem a sensação de estar livre e de ter todo o corpo vivo e formigando. Eu acho que é assim que Webster se sente com Albert e morando em Paris.

BBC: Existe alguma relação sua com Webster de alguma forma?

Brian: Absolutamente sim. Eu cresci nos subúrbios do Texas durante a era de Ronald Reagan, então, de uma maneira estranha, entendo como é crescer e ser diferente, não se encaixar em uma cultura. Isso sempre foi algo que eu amei e entendi sobre o Webster. Você ama sua casa de uma maneira que é difícil de descrever, mas eu sempre senti que precisava fugir e viajar e aqui estou eu – trabalhando em Praga e Manchester, vivendo na Europa e escapando de uma América que começa a transparecer menos e menos de como qualquer América que eu conheço nos últimos 10 anos.

image image

BBC: Você pode descrever a aparência de Webster?

Brian: O fantástico de Nic, nosso estilista, é que você não pode chamá-lo de fantasia; ele te dá roupas para vestir. Lembro-me de que ele me enviou um e-mail bem antes de filmar, explicando seus pensamentos sobre Webster e que ele pensava que Webster praticaria esportes quando era jovem ou tentava praticar esportes como uma maneira de se encaixar. Nic tinha essa imagem dele sendo um atleta e vestindo roupas de muito bom gosto.

Dinheiro não é um problema para Webster, e Nic via Webster como um atleta estiloso do final dos anos 1930. Ali mesmo, Nic me deu 70% dos intangíveis para o personagem que eu nunca teria conseguido sozinho. O melhor de uma produção como essa é que você está lidando com designers que o tornam um ator melhor. Essa é uma ideia que eu não poderia ter descoberto por conta própria ou provavelmente levaria muito tempo para chegar.

Who Is Brian J. Smith? 'World On Fire's Webster Feels A Real ...

BBC: Você teve que fazer alguma pesquisa sua? Isso é algo que você faz como ator ou está tudo no roteiro?

Brian: Em termos de pesquisa, é um conglomerado de muitas coisas. Para mim, uma das alegrias de ser ator, especialmente durante o período, é realmente tentar mergulhar nele. Encontrei um livro realmente bom chamado Americans In Paris, sobre os americanos que escolheram ficar em Paris quando os nazistas chegaram – acredito que o número deles era de cerca de 2.000.

Eu posso estar entendendo isso completamente errado, mas me disseram que havia cerca de 180.000 americanos antes da chegada dos nazistas. Dois mil ficaram para trabalhar no hospital e na embaixada. Os afro-americanos preferiram especialmente ficar em Paris, mesmo sob controle nazista, do que ter que voltar para os Estados Unidos e lidar com os abusos raciais com os quais tiveram que lidar naquele período de tempo. Eles nem eram cidadãos de segunda classe naquele momento. Em Paris, eles descobriram que eram tratados como seres humanos. Lendo sobre o hospital americano, o que exatamente eles fizeram e quem eram essas pessoas. Que geração incrível de pessoas. Eles eram tão corajosos e resistiram da maneira que podiam e realmente resistiram.

BBC: Isso fez você se interessar ou pensar em seu próprio histórico familiar para a guerra?

Brian: Meu grande bisavô (o pai da mãe de meu pai) estava na Marinha no Pacífico na Segunda Guerra Mundial. Na verdade, ele era boxeador e acho que venceu o campeonato de boxe da Marinha. Ainda temos a fivela em algum lugar da minha família. Até onde eu sei, minha árvore genealógica faz coisas realmente estranhas na Segunda Guerra Mundial, mas ele é o único que eu conheço que lutou na guerra. Na verdade, eu tenho que ler algumas cartas que minha avó ainda tem que ele escreveu para sua esposa e filhos quando ele estava no exterior, e é fascinante saber que sua família fez parte dessa guerra.

 

FONTE;

 

EXCLUSIVO: Brian J. Smith é o segundo ex-ator do seriado Sense8 a voltar a trabalhar com Lana Wachowski em Matrix 4 após a somatória de Eréndira Ibarra ao elenco.

Brian interpretou o policial de Chicago Will Gorski na série Netflix. Seu papel, está sendo mantido em sigilo pela Warner Bros, Village Roadshow devido a sequência do 4º filme da trilogia mundialmente famosa. Ele se juntará a Keanu Reeves (Neo), Carrie-Anne Moss (Trinity), Jada Pinkett Smith (Niobe), bem como aos novatos Priyanka Chopra, Jessica Henwick, Eréndira Ibarra, Neil Patrick Harris, Toby Onwumere, Andrew Caldwell e Yahya Abdul-Mateen II, que há rumores de estar interpretando o jovem Morfeu.

A atriz Jessica Henwick está empolgada por interpretar uma personagem Neo-feminina.

Lana Wachowski está dirigindo e co-escrevendo o roteiro com Aleksandar Hemon e David Mitchell. E a grande mentora também está produzindo com Grant Hill, produtor executivo de Matrix Reloaded e Matrix Revolutions. A trilogia Matrix acumulou mais de US$1,6 bilhões de dólares nas bilheterias globais. Matrix 4 chega aos cinemas em 5 de março de 2021.

Brian J. Smith

Brian J. Smith é estrela da série Treadstone nos EUA, uma ramificação da franquia Bourne da Universal do criador Tim Kring e Universal Cable Productions. Ele interpreta Doug McKenna, um trabalhador de plataforma de petróleo americano cuja vida muda depois que descobre verdades há muito enterradas sobre si mesmo. A série foi adquirida pela Amazon para distribuição global.

E ele também pode ser assistindo estrelando a série de drama da Segunda Guerra Mundial da BBC, World on Fire, que estreou em setembro no Reino Unido e foi adquirida pela PBS. Outros créditos de TV incluem Quantico, Gossip Girl e Stargate Universe.

No palco, ele foi visto recentemente como Chance Wayne no “Doce Pássaro da Juventude” (Sweet Bird of Youth) de Tennessee Williams, ao lado de Marcia Gay Harden no Chichester Festival Theatre em Londres, e recentemente reprisou seu papel de The Gentleman Caller no renascimento da Broadway de The Glass Menagerie de Tennessee Williams em extremo oeste.

Brian é representado pela equipe da Innovative Artists e Principal Entertainment LA.

FONTE;

 

Após a participação nas séries World On Fire e Treadstone, Brian J. Smith é confirmado para mais um projeto nessa última quinta-feira (20/2). O antigo policial Will Gorski de Sense8 agora fará parte do elenco da nova sequência de Matrix. Esse é o segundo trabalho de Lana Wachowski que contará com a presença do ator.

A produção de Grant Hill ainda terá diversos outros grandes nomes como Priyanka Chopra, Max Riemelt, Ibarra, Neil Patrick Harris, Toby Onwumere, Keanu Reeves e Carrie-Ann Moss. Alguns deles, inclusive, co-stares de Brian J. Smith também em Sense8.

A produção de Matrix 4 se iniciou em fevereiro desse ano e possui previsão de estreia aos cinemas para 21 de maio de 2021. Agora, é aguardar por mais informações!

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

I took the red pill. 😎

Uma publicação compartilhada por Brian J. Smith (@smithespis) em

Brian J. Smith é matéria de capa da nova edição da Attitude Magazine, uma revista britânica de entretenimento destinada ao público gay ainda no formato impresso e online. Nela, são presentes duas matérias na qual o ator fala sobre sua sexualidade, passado no Texas e seus trabalhos na televisão. A baixo a tradução de uma delas:

Brian J. Smith estrela de “Sense8” (Netflix) relata como foi crescer sendo um jovem homossexual e apavorado no subúrbio do Texas, EUA. O ator de “World on Fire” (BBC One) e “Treadstone” (USA Network) revela como encontrou uma fuga no palco na edição de dezembro da Attitude, confira:

Com seus papéis de ação em Sense8, a série de spin-off Jason Bourne, Treadstone, e a atual trama sobre a Segunda Guerra Mundial, World On Fire, da BBC One, Brian J. Smith é a imagem de autoconfiança na tv.

Mas, crescendo na zona rural do Texas, à sombra do crescente conservadorismo dos EUA nos anos 80, a estrela indicada ao Tony Awards permaneceu se sentindo isolado das pessoas devido a sua sexualidade.

Enquanto ele posa para uma sessão exclusiva para a capa da edição de dezembro da Attitude – disponível para download e pedido em todo o mundo agora -, Brian que possui 38 anos, lembra que, muito antes de ser recebido na elite da indústria do entretenimento, encontrou a liberdade dos opressivos e ambiente alienígena de sua cidade natal através da atuação.

“Fiquei aterrorizado. Na escola, eu realmente não podia me encaixar em lugar algum. Eu não era um atleta ou um nerd”, disse ele.

“Esqueça qualquer união ou grupo LGBTQ. Não havia absolutamente nada. Eu estava completamente sozinho. Eu ouvia todos os nomes: bichona, viado”.

Assim como a maioria das crianças estranhas que crescem em cidades pequenas, Brian J. Smith nutria uma profunda consciência de sua diferença.

“Eu nunca poderia ser quem eu era. Eu estava constantemente tendo que me controlar e me certificar de que não estava olhando para alguém por muito tempo ou fazendo com que alguém se sentisse desconfortável. Eu tive que ter muito, muito cuidado em contar às pessoas a verdade sobre mim. Ainda reverbera. Muito do meu trabalho é sobre isso. As coisas que me emocionam como ator são os ecos que surgem.”

Havia um lugar onde ele podia escapar daqueles sentimentos isolantes: dentro do palco.

“Na frente de uma platéia, eu desapareci e me tornei outra pessoa. Eu tinha 600 colegas de escola, e todos provavelmente pensaram que eu era um idiota absoluto, um nerd. No palco, eles prestaram atenção em mim e viram que eu tinha alguma coisa. E foi aí que não me senti mais sozinho.”

Como se viu, a família de Brian acabou aceitando de forma mais agradável do que ele esperava quando revelou sua sexualidade para eles, com 30 anos. (em meados de 2011)

“Eu estava surpreso. Quando saí para ver os meus pais, eles foram maravilhosos. Eles disseram que estavam apenas esperando que eu dissesse alguma coisa a eles. E eles eram muito mais avançados do que eu acreditava. Eu acho que foi quando eu fiquei bem com isso também. Apenas em termos de “Oh, esse é o mundo, não é tão perigoso quanto eu pensava.”

Sua grande chance veio com o Sense8, um dos programas mais ambiciosos – e caros – da Netflix, que girava em torno de oito estranhos que der repente se vêem mental e emocionalmente ligados. A série foi cancelada após apenas duas temporadas, embora os protestos dos fãs tenham convencido a gigante da produção a encomendar um especial de retorno.

“Eu me lembro de estar tão relaxado”, afirma Brian, refletindo sobre as diversas filmagens com o elenco.

“Eu pensava: ‘Finalmente posso ser eu mesmo, não preciso expor nenhuma destas pessoas.”

Com a série Sense8, Brian pensou que havia alcançado novos patamares em sua carreira. Mas seus papéis atuais em World on Fire da BBC e Treadstone da USA Network – programado para chegar ao Reino Unido no Amazon Prime Video em 10 de janeiro de 2020 – são evidências de que ele chegou totalmente como um dos novos protagonistas da televisão de sua geração.

Então, o que ele diria àquele garoto de 10 anos do Texas que se sentiu perdido e isolado?

“Eu apenas o abraçaria e diria que ‘está tudo bem’, disse Brian, reflexivo.

“Eu não tinha pessoas suficientes para me dizer: ‘Você não precisa ser alguém diferente, você não precisa mudar quem você é’, afirmou.

“O que esse garoto de 10 anos de idade precisava era de alguém para buscá-lo e dizer: ‘Você é perfeito como é, está tudo bem'”.

FONTE

Confira o vídeo dos bastidores da entrevista e do ensaio fotográfico do ator, clicando a seguir:

O ator Brian J. Smith, após o fim de Sense8, já está escalado para outras duas séries. Treadstone, que explicamos no post anterior, e também World On Fire, que será do canal britânico BBC One.

A trama está nas mãos do diretor Peter Bowker, conhecido pela série Blackpool, e da Mammoth Screen, uma produtora independente do Reino Unido. World On Fire ainda não tem data de começo de gravações ou estreia, mas tudo indica que pelo menos a primeira seja em 2019.

A sua narrativa gira em torno de histórias de pessoas comuns que vivenciaram a época de segunda guerra mundial. De acordo com o site oficial da BBC, ela terá inicialmente sete episódios e o seu primeiro fato histórico será a invasão da Alemanha a Polônia em setembro de 1939. Ela acompanhará em ordem cronológica a maioria dos conflitos do primeiro ano da guerra, mas desta vez, pelo olhar dos “anônimos”.

A ideia é mostrar a guerra pelo lado humano, frágil e ao mesmo tempo intenso. Não pelos protagonistas dela, mas sim pelas pessoas que sofreram as suas consequências. Peter Bowker ainda alega “Essas são histórias de pessoas comuns que moldaram o nosso mundo. Histórias de lealdade, coragem e medo, esperança, histórias de amor e sonhos forjados em tempos extraordinários.”

A trama está sendo gravada na capital da República Checa, em Praga e seguirá para Londres, Manchester, Paris e Berlim e tem previsão de lançamento para 2019, sem anunciamento da estreia até o momento.

Entre os atores escalados até agora para atuar ao lado de Brian J. Smith estão Hellen Hunt (Melhor é Impossível), Lesley Manville (Agora ou Nunca), Jonah Hauer-King, Julia Brown, Zofia Wichłacz, Parker Sawyers, Max Riemelt (Sense8), Bruno Alexander, Johannes Zeiler e Eugénie Derouand.

Você deve estar se perguntando o que será de Brian J. Smith após o término de Sense8. A novidade é que o ator já está escalado para mais dois trabalhos. Um deles é a série Treadstone. Com a notícia, reunimos a maior quantidade de informações sobre ela que foram divulgadas até agora.

O inicio de suas filmagens está prevista para 2019 e por enquanto ela ainda não tem data de estreia. Sua história gira em torno do universo de filmes de Jason Bourne, um agente da CIA inserido na operação Treadstone. Um programa de treinamento que utiliza um protocolo de modificações comportamentais para criar assassinos profissionais frios, calculistas e quase imperceptíveis. A série, por sua vez, irá explorar a operação nos dias atuais, no qual precisamente acompanhará esses “agentes adormecidos”, espalhados por todo o mundo, à medida que “acordam” para dar seguimento às suas missões na operação Treadstone.

Anteriormente já haviam sido lançados 3 filmes com essa temática, sendo eles “A identidade Bourne” (2002), “A Supremacia Bourne” (2004) e “O Ultimato Bourne” (2007). Além do filme derivado “O legado Bourne” (2012) e o mais atual deles “Jason Bourne” (2016), todos estrelados por Matt Damon e renovados devido ao sucesso que conquistaram.

O diretor encarregado da vez será Tim Kring, o mesmo da série “Heroes”. Enquanto o USA network será o canal responsável por produzi-la.

Brian J. Smith irá interpretar o papel de Doug McKenna, um operário de plataforma de petróleo americano que vê a sua vida mudar após descobrir algumas verdades sobre si mesmo. Ele ainda atuará ao lado de artistas renomados como Jeremy Irvine (Mama Mia) que interpretará J. Randolph Bentley, um dos espiões da CIA, de acordo com o portal The Hollywood Reporter.