Em uma nova entrevista divulgada pelo o setor mediático inglês, o Brian concede algumas informações sobre a peça e conselhos. Leia a seguir a matéria da entrevista traduzida.

Theatre.london> O que há de novo> Brian J Smith: The Glass Menagerie “realmente visa assombrar você”

A estrela do EUA trouxe a sua nomeação ao Tony Awards e seu desempenho para Londres e o poder do teatro.
TL: Não é muito frequente que um ator admita que a peça em que está estrelando pode causar uma auto-agressão. A estrela americana Brian J. Smith, que está atuando como o Gentleman Caller em The Glass Menagerie, está feliz em quebrar esse molde. Por quê? Por causa do excepcional trabalho do diretor John Tiffany. 
Sem isso, diz ele, a peça pode ser muito deprimente. É difícil discutir com ele. A história, que ajudou a tornar o nome do dramaturgo Tennessee Williams, não é felizSegue-se uma família em que a mãe anseia por os luxos que ela está perdida, o filho está preso em um trabalho que ele odeia, e a irmã é prejudicada pela insegurança e pela baixa auto estimaMas nada melhora
No entanto, Brian J. Smith, uma ex-estrela da franquia Stargate Universe que lidera o elenco da drama da Netflix Sense8, retornou para a produção da peça em Londres e por ter impressionado o público e os juízes do Tony Award em Nova York. Por quê? Porque o coração da peça é muito afetuoso. E porque o diretor John Tiffany da peça Harry Potter e a Criança Amaldiçoada,tem trabalhado a sua magia teatral sobre ele.
TL: O que o público pode esperar de The Glass Menagerie?
Brian J. Smith: Eles podem esperar para deixar o teatro com seus corações abertos um pouco. Apenas um pouco abalado, mas movido por algo muito bonito. Alguns shows quer impressioná-loEles são muito intelectuais e eles jogam com sua mente. Este não é esse tipo de experiência. Este realmente pretende assombrá-lo.
TL: Como você se sentiu na sua estreia no West End?
Brian J. Smith: É algo que eu sabia que chegaria por um tempo, mas não sei me sentir real até a nossa primeira prévia. Você está sempre se perguntando: “Como eles vão reagir a nós aqui?” Como são o público londrino e o que vai tirar para este show? Como são audiências de Nova York vai levar a este show.” É sempre a nosso favor. Eu acho que é porque amamos o show tanto. Eu acho que as pessoas entendem e sentem o cuidado que temos pela peça. Eles respondem a ele.
Quando isso terminou em Nova York, eu sabia que eu não estava satisfeito com o término dele. Foi um momento tão especial na minha vida, fazendo desta peça nos Estados Unidos. Você raramente muito na vida tem a oportunidade de revisitar algo que significou muito para você. É quase como voltar para onde você passou verões de sua infância.
TL: Por que outro renascimento de The Glass Menagerie?
Brian J. Smith: Primeiro, este é definitivamente [o Diretor da peça Harry Potter e a Criança Amaldiçoada] uma produção de John Tiffany. Ele traz esse sentido de elevar e magia e compaixão e truques no palco para o show que pode fazer uma peça de outra forma e muito sombrio do trabalho em algo que é bonito. O que John viu na peça é algo a ver com a beleza de nostalgia. O lado realmente prazeroso e doloroso de olhar para trás em algo que aconteceu em sua vida. Ele transformou isso em algo que só pode existir em um palco. 
TL: Quão importante você acha que é que o show está vendendo 20.000 bilhetes por £ 20 (euros) ou menos?
Brian J. Smith: Eu acho que é incrível. Acho que é muito importante que nos asseguremos de que as próximas gerações venham e vejam as peças/os shows, se inspirem e queiram fazer parte do mundo do teatro. Fazer bilhetes acessíveis desta forma é parte disso. Em Nova York, os ingressos podem ser de US $200 ou US $300 para assentos de back-row. Eu acho que é ótimo trazer o show para Londres e ter que ser onde estudantes, baristas, qualquer um pode vir e ver a peça. É feito para todos. Eu não acho que o teatro deve ser uma experiência elitista. 
TL: Será que você quis ir ao teatro quando era adolescente?
Brian J. Smith: Na verdade não. Meninos do Texas não iam muito ao teatro. Embora na escola, quando eu comecei a me interessar pelo teatro, tivemos muitos teatros realmente grandes em Dallas. Eu vi uma bela produção de A Gaivota. Eu posso lembrar quase tudo sobre ele. Os sentimentos que me fez sentir foram tão maravilhosos. Eu não sabia que era possível. Eu estava maravilhado com o que eles fizeram.
Eu sempre me lembro disso. Às vezes eu me viro para trabalhar e estou cansado ou tenho um resfriado e eu penso: “Como vou andar nesse palco e dar alguma coisa?” Então eu lembro que há pessoas naquela audiência como que tem 16 anos de idade  e que eu tenho a possibilidade de dar a eles a mesma sensação que eu tive. Isso me acorda imediatamente e realmente me deixa animado para sair e compartilhar algo com eles.
TL: Como é assistir ao teatro que você ama?
Brian J. Smith: Vi Hedda Gabler no National depois do ensaio uma noite, que eu simplesmente amei. Sinéad Matthews deu um desempenho surpreendenteSeu coração partido, a emoção.. ela estava tremendo. Isso é o que o teatro faz de uma maneira que nada mais pode. Você vê uma pessoa real na frente de você ter uma experiência e não pode ajudar, mas abra seu coração e o humaniza. Seu rosto é algo que eu nunca vou esquecer. É por isso que vou ao teatro e é isso que me inspira a fazer teatro.
TL: Se você pudesse dar um conselho aos aspirantes e aos atores, o que seria? 

Brian J. Smith: Você tem que encontrar maneiras de manter a sua mente e o corpo saudáveis. Yoga é algo que me manteve realmente saudável e se encaixam em uma boa maneira. Você precisa ter essas práticas espirituais em sua vida, porque você pode se perder muito facilmente, especialmente nos momentos em que você não está trabalhando, o que pode ser frequente.Você realmente tem que tomar uma decisão. Os atores que eu vi ir e ganhar a vida são aqueles que teimosamente disseram: “Isso é o que estou fazendo. Isto é o que eu sou. “Eles ficaram presos com ele em face de muita rejeição, incerteza e completa pobreza abjeta. Eu estive lá. Por alguma razão eu só tinha aquela pequena voz na minha cabeça dizendo: “Eu estudei. Eu me sacrifiquei. Eu fiz tudo. Eu me coloquei nessa posição e meu Deus vou segui-la.”

 

Brian J. Smith ficará com a peça “The Glass Menagerie” em West End no teatro Duke of York’s, em Londres até o dia 29 de Abril.

FONTE;

A Broadway Style Guide, portal de noticias online, liberou hoje (16/02) uma nova entrevista com Brian J. Smith em que o ator fala sobre sua peça que está atualmente em cartaz em Londres, The Glass Menagerie. Ele também participou de uma sessão de fotos que acompanhou a matéria e elas já se encontram na nossa galeria e você pode conferir aqui.

Brian J. Smith: Chamada de Londres

Para Brian J. Smith não tem nada como performar ao vivo. Ele tem estado nas telas da TV por um tempo na série de ficção da Netflix, Sense8, que foi pego para a segunda temporada e está emocionado de estar voltando aos palcos com The Glass Menagerie. Smith apareceu por último na Broadway em uma produçaõ de John Tiffany, ele esta voltando para a peça e produção e agora sua co-star de West End Cherry Jones. A peça está em cartaz no teatro Duke Of York em Londres. “É melhor do que sexo”, o ator fala sobre teatro ao vivo.

Broadway Style Guide conversou com Smith sobre suas histórias, regime de exercícios, e o que uma noite na cidade se parece para ele e Jones.

Você está prestes a entrar em Londres para a sua estreia em West End com The Glass Menagerie. Qual a sua ideia de tarde perfeita em Londres?

O Hyde Park é o meu lugar preferido de Londres, então eu aposto que nessa tarde eu iria estar por lá com um café e alguma música boa, apenas me perdendo. Eu gosto de permanecer ativo quando estou me apresentando em teatro e entrar em uma bom treino é minha terapia. Você também me encontrar fazendo um pouco de yoga ou correndo pelo Tamisa se não estiver chovendo.

Qual sua ideia de noite fora perfeita com sua co-star Cherry Jones? Em qual problema você se prevê entrando?

Eu tenho certeza que iriamos achar algum bar perto do teatro Duke Of York, algum pub com nome chique e uns bons matinis. A parceira da Cherry, Sophie, iria estar escapando com frequência para visitar e nós três como sempre viveríamos uma ótima noite – especialmente quando tem um bom steak envolvido. Nós provavelmente iriamos empurrar as horas um pouco se for um sábado a noite desde que domingo seja nosso dia de folga.

Se você pudesse ir a algum lugar quieto e nunca mais ser incomodado de novo, onde seria e quais itens essenciais você precisaria para se manter ocupado?

Eu iria achar uma cabana nos Montes Apalache com uma vista limpa ao oeste. Tudo o que eu precisaria seria um cachorro, acesso ao spotify, bons alto-falantes, uma esteira de yoga e meu iPad cheio de ótimos livros.

Você tem um ótimos seguidores no Instagram. Qual o seu mais culpado prazer no Instagram?

Eu sou tímido com câmeras, então eu na verdade prefiro não estar nas fotos, mas eu sei  que as pessoas seguem o seu Instagram para ver VOCÊ, não apenas fotos de arte e por do sol. Ainda assim, eu realmente amo tirar fotos cuidadosamente compostas de cenas da cidade a noite, especialmente se vem chovendo, tem tido uma vibe John Grimshaw. Minha cadela, Cassie, faz algumas aparições memoráveis também. Eu tive que colocar mais que poucos dos dentes dela saltados, então a língua um pouco mais pra cima, mas ela não podia ligar menos. Ela ama a câmera.

Você e seus colegas do elenco tiveram que mostrar um pouco de pele na sua série da Netflix, Sense8. Qual o seu segredo para estar pronto na frente das câmeras?

Realmente uma forte rotina diária de yoga com alguns dias de treinamento pesado no meio. Eu acho que um proporção de 3:1 é ideal. Também, achei alguns ótimos videos no youtube de um menino chamado Brendan Meyers, sua rotina de abdômen é matante e geralmente duram menos de seis minutos. É tudo o que você precisa – por outro lado  no começo você explode e pode parecer muito volumoso. Me levou um tempo para achar o equilíbrio.

Você nasceu no Texas. O você ama/ou odeia sobre ser do estado de artistas solitários?

Tem um número surpreendente de texanos na industria. Um número desproporcional, na verdade. Eu sempre me perguntei sobre isso. Eu acho que é porque o Texas é muito carregado de contradições, e texanos como eu que trabalha nas artes trazem isso para fora. Nós somos dependentes, fomos criados bem, nós não gostamos de “balançar o barco”. Mas também somos competitivos, e temos um senso de culpa ou vergonha que não podemos explicar.

Se você pudesse ter a carreira de outro ator, quem seria e porque?

Cherry Jones – sem dúvidas. Ela irá te dizer e eu acredito nela, que ela é a atriz que é hoje por causa de todos os anos que ela gastou longe de Nova York no teatro American Repertory, interpretando as ótimas partes, viajando e se apaixonando e aprendendo a pressão de ter uma série ou filme chegando. Tudo isso – e claro aquela coisa misteriosa que ela tem. Chamada mágica. Mas ela é feliz, e ela tem uma ótima vida e ela é tão amorosa com todos que trabalha e tiveram a chance de vê-la performando. Ela me ensina tanto, e eu continuo sem acreditar que eu posso passar alguns momentos com ela no palco todas as noites.

Exclusivamente para o veículo Theatre London, Brian J. Smith conta um pouco sobre o seu trabalho, teatros em geral, mostra como peças conseguem ser ricas em emoções e como é mágico receber e também passa-lás ao público. Leia a matéria traduzida a seguir:

Brian J. Smith: The Glass Menagerie “realmente pretende assustar vocês”

O ator estadunidense relata sobre trazer sua performance com indicação ao Tony para Londres e o poder do teatro.

Não é sempre que o artista admite que a peça em que está estrelando pode causar auto-agressão. Ator americano Brian J. Smith, que atua como o Gentleman Caller em The Glass Menagerie, está feliz em quebrar esse padrão. Por que? Por causa do trabalho excepcional do diretor John Tiffany.

Sem isso, ele diz, a peça podia ficar toda muito depressiva. É difícil argumentar com ele. A história, que na ação foi ajudada pelo nome de Tennessee Williams, não é uma história feliz. Segue a familia em que a mãe anseia pela luxuria em que está perdida, o filho está preso em um emprego que odeia, e a irmã é aleijada pela insegurança e baixa auto-estima. Enquanto o personagem de Brian, envolto em uma promessa que ele irá poder mudar tudo isso. Mas nada melhora.

Ainda Brian J Smith, formado como uma estrela de Stargate Universe que entrou para o elenco da série de drama da Netflix Sense8, retorna a produção em Londres tendo uma altíssima audiência – e Tony Awards jugou – em Nova York. Por que? Porque o coração da peça é tão afetuoso. E porque o diretor de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, Tiffany trabalhou sua mágica teatral nela.

O que a audiência pode esperar de The Glass Menagerie?

Eles podem esperar deixar o teatro um pouco de corações abertos. Só um pouco abalados, mas movidos por algo muito bonito. Algumas peças querem te impressionar. Elas são bem intelectuais e elas brincam com a sua mente. Essa não tem esse tipo de experiência. Ela realmente pretende te assombrar.

Como você se sente sobre fazer sua estréia em West End?

É algo novo que eu sabia que estava chegando por um tempo, mas não senti algo até nossa primeira prévia. Você está sempre pensando, “Como eles vão reagir a nós aqui? Como vai ser a audiência de Londres para o show? Como a audiência de Nova York vai ser para essa peça”. Sempre tem sido ao nosso favor. Eu acho que é porque a gente ama tanto a peça e eu acho que as pessoas entendem e sentem o cuidado que temos com ela e eles respondem a isso.

Quando terminamos em Nova York, eu soube que eu não tinha terminado com ela ainda. Foi um período muito especial na minha vida, fazer isso, atuar no States. Você raramente tem a oportunidade de revisitar algo que significou tanto na sua vida. É quase como ir onde você passava o verão em sua infância.

Poque fazer outra vez o The Glass Menagerie?

Primeiro, essa é definitivamente uma produção de John Tiffany [diretor de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada]. Ele trás esse senso de elevação, magia, compaixão e truques para o show que pode trazer uma forma mais sombria de trabalhar com algo que é bonito. O que o John viu na peça foi algo relacionado a beleza da nostalgia. O agradável e doloroso lado de olhar para o passado em algo que aconteceu nas suas vidas. Ele tornou isso algo que só pode existir em um palco.

Quão importante você acha que é o show estar vendendo 20,000 entradas por £20 ou menos?

Eu acho incrível. Eu acho realmente importante termos certeza que a próxima geração venha e assista peças, são expiradas e queiram fazer parte do mundo do teatro. Vender entradas acessíveis desse jeito é parte disso. Em Nova York, as entradas podem ser de $200 ou $300 para assentos na parte de trás. Eu acho ótimo trazer o show para Londres e ter os preços em que estudantes, baristas, todo mundo possa vir e assistir a peça. É feita para todos. Eu não acho que o teatro deveria ser uma experiencia elitizada.

Você ia ao teatro quando era adolescente?

Na verdade não. Jovens garotos do Texas não iam muito para o teatro. Porém no high school, quando eu começei a me interessar pelo teatro, nós tínhamos muitos ótimos teatros em Dallas. Eu vi uma bela produção do The Seagull. Eu me lembro de quase tudo. Os sentimentos eram tão maravilhosos. Eu não sabia que aquilo era possível. Eu estava maravilhado com o que eles fizeram.

Eu sempre me lembro disso. Ás vezes eu me viro para trabalhar e estou cansado ou pequei um resfriado e eu penso, “como eu vou entrar no palco e dar alguma coisa?” Então eu me lembro que tem pessoas na platéia assim como eu com 16 anos e eu tenho a possibilidade de dar a eles os mesmos sentimentos que eu tive. O que me acorda imediatamente e realmente me deixa animado para entrar lá e compartilhar algo com eles.

Como é assistir teatro que você ama?

Eu vi Hedda Gabler no National uma noite depois do ensaio, no qual eu simplesmente amei. Sinéad Matthews deu uma ótima performance. Seu coração partido, as emoções… ela estava tremendo. É isso que o teatro faz de uma forma que nada mais consegue. Vôce vê uma pessoa atual na sua frente tendo uma experiência e não pode ajudar, mas abre o seu coração e te humaniza. A cara dela vai ser algo que nunca vou esquecer. É por isso que eu vou ao teatro e é isso que me inspira nele.

Se você pudesse dar um pequeno conselho para um ator novo, qual seria?

Você tem que achar maneiras de mante a mente e o corpo saudáveis. Yoga é algo que me manteve muito são e em forma de uma boa forma. Você precisa ter essas praticas espirituais na sua vida porque você pode se perder muito fácil, especialmente em momentos que você não está trabalhando, que podem ser bem frequentes.

você realmente precisa tomar decisões. Os atores que eu vi indo e tendo uma vida são os que tiveram teimosamente que dizer, “Isso é o que estou fazendo. Isso é o que eu sou”. Eles tem ficado presos nisso mesmo com todas as rejeições, incertezas e pobreza absoluta. Eu estive lá. Por não sei quais razões eu só tive aquela voz na minha cabeça dizendo “Eu estudei. Eu me sacrifiquei. Eu fiz tudo. Eu me coloquei nessa posição e meu deus eu vou seguir com isso”.

FONTE;

Brian J. Smith de Sense8 entra nos palcos de West End: “The Glass Menagerie é mais relevante do que nunca, pós-Trump”

Ele recupera sua parte do chamado cavalheiro Jim da produção da Broadway de John Tiffany.

The Glass Menagerie, o atemporal clássico de Tennessee Williams, retornou ao palco de Londres – e a estrela Brian J. Smith acha que a peça de 70 anos está mais relevante do que nunca.

Recontado pelo problemático Tom Wingfield, a peça segue as tentativas de sua mãe Amanda – uma belexa sulista desbotada – a encontrar um pretendente para sua filha, a frágil Laura.

Brian J. Smith traz de volta o “Gentleman Caller” Jim O’Connor na produção de John Tiffany no teatro Duke of York’s, tendo ganhado uma linha de prêmios por atuar em parte na Broadway.

O ator – conhecido pela série da Netflix Sense8 – disse ao Digital Spy que “o mundo precisa de Tennessee Williams” agora, porque a dramaturgia “nunca viu as pessoas em termos binários, nunca”.

The Glass Menagerie é uma peça que ganha espaço em 1937, em um mundo que realmente parecia que ia sair do controle. Agora vivemos em uma era pós-Trump ou contra Trump, eu não acho que alguém poça argumentar que o mundo caminha em direção a algo – um ponto de exclamação…

“Nós não sabemos o que isso é, e é muito, muito assustador, e tem algo que reconhece esse medo na peça, mas também nos relembra o valor de amar uns aos outros, e compaixão e tenta olhar para alguém e ver ele por quem realmente é.”

Brian J. Smith – junto a 5 vezes indicada ao Tony Awards, a atriz aclamada Cherry Jones, retornando como Amanda Wingfield – está enfrentando o The Glass Menagerie de novo depois de uma pausa de quase 3 anos.

Ele descreve atuar Jim de novo, e reencenar a famosa cena em que o seu personagem conhece Laura “como voltar para a casa”.

“Você raramente na vida tem a oportunidade de voltar a uma memória que foi tão especial para você” ele diz. “Quando nós fizemos essa peça em Boston e em Nova York, aquilo foi em muitos modos o melhor momento da minha vida. Ser capaz de voltar e fazer tudo de novo é como revisitar meus verões da infância.”

Ele recebeu a oferta para voltar a peça, durante uma esgotante cena na Coréia do Sul e em meio a temperaturas de 115°F, e admitiu que “Cair de joelhos e comecei a chorar”.

“Eu estava miserável, tinha muita drama acontecendo no set, e recebi essa ligação… E foi tipo, ‘Sim, sim, sim, por favor, eu preciso disso’ – foi a primeira vez que eu estive em um palco, na frente do público ao vivo, por três anos, então eu estava definitivamente sentido o nervosismo, mas foi como uma volta na montanha-russa – assustador e emocionante e bonito tudo ao mesmo tempo!”

FONTE;

Na última quinta-feira, 2 de Fevereiro aconteceu a grande abertura da peça “The Glass Menagerie” no teatro The Duke of York’s em Londres.

Uma pessoa da nossa equipe assistiu a peça no sábado (28.01) e foi a terceira prévia da peça e já estava incrível e adoramos ver o Brian cantando, atuando, rindo, momentos inexplicáveis.

Na noite da quinta-feira, a apresentação teve o seu maior público voltado para o centro mediático inglês e que rendeu boas críticas para a imprensa e alguns sites deram 5 estrelas para o espetáculo e outros 4 estrelas. Ou seja a peça teve uma grande apresentação e estamos na torcida para que nesse ano o Brian seja nomeado para alguns prêmios e que ele consiga levar algum pra casa!

Veja a seguir algumas fotos em LQ E MQ, que conseguimos do Brian na festa de lançamento da peça até agora.

INICIO > APARIÇÕES & EVENTOS | APPEARANCES & EVENTS > 2017 > NA NOITE DE ABERTURA DE THE GLASS MENAGERIE EM LONDRES – 02 DE FEVEREIRO

john-tiffany-director-and-brian-j-smith-gentlemen-111444.jpgDW_glass_menagerie_1042.jpgmichael-esper-tom-wingfield-sonia-friedman-producer-and-111450.jpgbrian-j-smith-gentlemen-caller-and-kate-oand39flynn-laura-111441.jpgDW_glass_menagerie_1025.jpg

Acaba de sair uma entrevista, onde o Brian relata e conta um pouco sobre a sua antiga experiência na peça de sucesso em Nova York e que agora acaba de ser lançada em Londres. Amanhã (02) é a grande noite de abertura da peça e vão até Abril deste ano. Leia a seguir a tradução da nova entrevista do ator, que nós traduzimos.

Os vários créditos do ator americano Brian J. Smith inclue o filme independente Hate Crime, a série de TV da Netflix, Sense8 e, no palco, a aclamada produção de John Tiffany de The Glass Menagerie, de Tennessee Williams. Este último foi um sucesso na Broadway e em Edimburgo, e agora está no West End em Londres no Teatro Duque of York’s.

BWW Entrevistador: Qual foi a sua primeira experiência de teatro?

Brian J. Smith: Eu vi uma produção de The Seagull no Dallas Theatre Center quando eu estava na escola, e realmente fez um número sobre mim. Claro que eu cresci assistindo a atuação de filmes e TV, mas eu nunca tinha visto me agindo assim antes – era tão físico e emocional, tão “grande”. Essas pessoas estavam lá em cima vivendo a vida em um campo que me deixou tonto. Eu estava em temor.

BWW Entrevistador: Quando você começou a pensar seriamente em atuar como uma carreira?

Brian J. Smith: Provavelmente em torno do tempo quando eu tropeçava nos livros de Stanislavsky em minha biblioteca do colegial. Eu amava a ideia de que atuar era algo que você poderia desenvolver lentamente, algo que você poderia estudar. Eu tento não ler livros de atuação, mas eles estabelecem uma barra alta para mim muito cedo.

BWW Entrevistador: Onde você treinou/estudou?

Brian J. Smith: Juilliard. Foi uma experiência brutal e bela.

BWW Entrevistador: Qual foi o seu primeiro emprego remunerado?

Brian J. Smith: Eu fiz uma produção de “A Christmas Carol” no Pocket Sandwich Theatre em Dallas, quando eu estava na escola. Esse foi o meu primeiro salário. Acabei chamando a atenção de Andy Long e Joe Dickinson, que estavam prestes a fazer uma produção de uma peça muito emocionante, chamada Vikings, e eles viram uma chance em mim. Ainda hoje, é uma das minhas coisas favoritas que já fiz. Foi a primeira vez que eu tive essa incrível sensação de estar no palco e ouvir um grito de audiência. Joe morreu recentemente, mas qualquer um que o viu naquele show vai saber do que estou falando – sua performance nunca deixou um de nós ir.

BWW Entrevistador: Como você equilibra o trabalho de palco e a tela? E o que o faz escolher um projeto?

Brian J. Smith: Bem, felizmente o projeto escolhe você. Eu espero que Deus, eu nunca esteja em um lugar onde eu só possa apenas escolher que tipo de trabalho que começarei a fazer em seguida. Eu cometeria tantos erros! Acho que não sou tão ambicioso para ser honesto. Eu só quero ter um bom tempo e fazer coisas bonitas. Se não fosse pra atuar, eu tenho certeza que eu estaria fazendo a mesma coisa com uma mobiliária ou música ou design de iluminação. E em termos de palco ou tela, novamente, vou para onde a porta se abre.

BWW Entrevistador: Você conhecia The Glass Menagerie com antecedência?

Brian J. Smith: Eu conhecia The Glass Menagerie, mas não conhecia a de John Tiffany. Ele o viu profundamente, e de uma maneira diferente. Ele abriu meus olhos para possibilidades em The Gentleman Caller (Jim O’Connor) que eu nunca entrei antes.

BWW Entrevistador: Conte-nos sobre o seu personagem Jim e como você se aproximou dele

Brian J. Smith: Muito cedo John deixou claro que Jim é um dos grandes “caprichos” do Tennessee. Claro, ele teve um início bastante espetacular em uma escola pública muito pequena em St. Louis, mas algo terrível aconteceu: o mundo não tinha qualquer uso para ele. Ele gostava de cantar, muito mais do que gostava de esportes ou debates ou meninas ou qualquer outra dúzia de coisas que ele estava se destacando na escola. Eu acho que Laura foi a única pessoa que apreciou o que saiu nele quando ele cantou. E ele se lembra disso sobre ela. Ela se lembra o melhor dele. E ele acaba trazendo o melhor nela naquela noite linda e terrível que eles têm juntos. São dois unicórnios e são almas gêmeas.

BWW Entrevistador: Você fez muita pesquisa sobre o período?

Brian J. Smith: Inicialmente sim. Eu li muitos livros sobre o período, olhei para muitas fotografias. Passei muito tempo com alguns anuários do ensino médio daquela época. Na verdade, a música é a coisa mais útil para mim. A década de 30 do século XX, tinha essa música romântica irremediavelmente, com todos aqueles cantores incríveis e todo esse jazz! Eu também li tudo no Tennessee que eu poderia começar minhas mãos sobre, incluindo o notebook. Nós nos tornamos estudiosos adequados do Tennessee Williams quando estávamos fazendo a primeira apresentação do show em Nova York no American Rep.

BWW Entrevistador: Como John aproximou-se do (não confiável) enquadramento da memória, realismo vs expressionismo?

Brian J. Smith: Ele só ouve o Tennessee, literalmente. Está tudo lá na frente originalmente para a peça que Williams escreveu, sobre “Plastic Theatre” – – sobre o teatro ser um lugar onde a mágica deve acontecer, não apenas realismo com pias de cozinha e parafernália de jantar. Filme faz o realismo lindamente. O teatro realmente canta quando o público tem que usar sua imaginação. Acho que isso se tornou a pedra de toque de John como diretor. Eu definitivamente senti isso quando vi Harry Potter e a Criança Amaldiçoada.

BWW Entrevistador: O que você aprendeu ao trabalhar com a Cherry Jones?

Brian J. Smith: Que você não tem que ser um ser humano terrível para ser um grande artista. As melhores partes do talento de Cherry estão ligadas às melhores partes dela como mulher. Ela é uma máquina de compaixão viva, respirando. Isto é o que apenas transborda dela. Eu tive alguns dias realmente ruins em outros trabalhos desde que eu trabalhei com ela há quatro anos atrás, e eu passaria por isso perguntando: “O que a Cherry faria?”

BWW Entrevistador: Poque você acha que o trabalho de Tennessee Williams ainda fala algo para a gente?

Brian J. Smith: Talvez porque ele entendeu que as pessoas não são apenas uma coisa ou outra, que o problema que temos é que não conseguimos realmente ver uns aos outros. Só vemos projeções e estamos morrendo para alguém realmente nos ver. “Ai está você, está tudo bem”. Eu acho que é isso o que acontece com Jim e Laura. Eles se vêem sem filtro. E depois o mundo entra, claro.

BWW Entrevistador: Como é estar fazendo sua estréia em West End?

Brian J. Smith: Eu não poderia estar mais feliz. E Sophia Friedman e sua equipe estão cuidando tão bem de nós. Eu tenho um ótimo apartamento de um quarto em Covent Garden, a apenas passos de distância do teatro Duke of York’s. E por estar trazendo um ótimo clássico americano, uma obra-prima para West End, com essa produção, que eu sou tão louco por ela – não da para ficar melhor do que isso.

BWW Entrevistador: Você vai ter a chance de ver outros shows em Londres ou explorar a cidade?

Brian J. Smith: Estou tendo na verdade! Eu vi o maravilhoso Hedda Glabler no National, que foi a primeira vez que eu vi uma peça e eu não acho que eu consiga nunca mais olhar para um suco de tomate do mesmo jeito! Foi intimidamente boa. E claro eu vi o nosso John’s Harry Potter, e eu nunca queria que acabasse. Tudo o que eu amo em relação ao John – estava tudo lá naquele show. Mágica.

BWW Entrevistador: O que mais você tem pela frente? Mais teatros, trabalhos de cinema/tv?

Brian J. Smith: Parece que eu vou fazer um outro trabalho do Tennessee Williams, bem quando eu terminar o Glass Menagerie, e aqui em UK também. Eu preciso morder a minha língua para não dar mais detalhes agora, mas estou muito ansioso para isso.

BWW Entrevistador: Finalmente, algum conselho para atores emergentes? 

Brian J. Smith: Coloque Ioga no mix! Me deixa forte e saudável e me mantém em sã.

16300525_392382731116110_820446606206416849_o.jpg16298769_392383377782712_7111908867515614381_n.jpg16422602_392382744449442_931997541134424242_o.jpg16425709_392382801116103_3846905277380813990_n.jpg16427656_392383281116055_1616981082498249207_n.jpg16425909_392383477782702_8765041269354699286_n.jpg

FONTE;

 

Temos uma grande e ótima notícia para quem acompanha a vida do ator  Brian J. Smith. Ele voltará atuar na peça “The Glass Menagerie” onde ele atuou em 2013 em Nova York na Broadway, onde ele fez muito sucesso na cidade e agora a peça chegará ao Duque Of York’s Theater que possui uma capacidade de 640 pessoas dentro do teatro em Londres no Reino Unido em 2017.

A notícia foi publicada há poucas horas pela American Repertory Theater.

Brian dará vida novamente ao seu personagem Jim na peça e a única pessoa que trabalhou com ele há poucos anos atrás será a atriz Cherry Jones. Escalaram para o novo elenco teatral o ator Michael Esper e a atriz Kate O’Flynn.

New York Times sobre a peça “The Glass Menagerie

Produção Impressionante de John Tiffany. Esteja preparado para respirar fora de você.

Sipnose da peça para 2017.

“Na sequência de uma corrida de multi Tony Award-nomeado na Broadway, Olivier e diretor ganhador de um Tony Award John Tiffany (Harry Potter e the Cursed Child Parts One and Two, Let the Right One In, Black Watch) revive sua encenação visionária de Tennessee Williams. Uma obra-prima sobre uma família lutando para sobreviver com esperanças e sonhos.”

 

The Daily Telegraph sobre a peça “The Glass Menagerie

John Tiffany evoca a mágica teatral.”

The Guardian sobre a peça “The Glass Menagerie

“Uma tomada triunfante no Tennessee Williams. Embalado com detalhes psicológicos intensos.”
A peça começará no dia 26 de Janeiro e terminará no dia 29 de Abril de 2017 e se serão vendidos mais de 20.000 ingressos durante as 13 semanas que a peça estará no teatro Duke York’s of Theater em Londres e os ingressos já estão sendo vendidos em Londres já é dia 21 (a partir do dia 21 de Outubro) até Janeiro de 2017 e estão custando menos de £20.
    • As apresentações serão nos dias:
    • Segunda – Sábado às 19:30
    • Quinta e Sábado às 14:30.

Os ingressos estarão a preço reduzido para performances do dia 26 Janeiro à 1 Fevereiro.

Estamos muito felizes com o retorno do Brian ao Teatro e desta vez fora dos Estados Unidos. Isto dará um gás na carreira dele e esperamos que se tiver algum brasileiro nesta época na cidade que não perca esta oportunidade de assistir uma incrível peça e tentar ter a oportunidade de conhecer os quatro artistas.

O site para a compra dos ingressos: http://www.atgtickets.com/shows/the-glass-menagerie/duke-of-yorks/!

FONTE; FONTE;

Há quase 1 ano atrás o ator Brian J. Smith concedeu uma entrevista no tapete vermelho da estréia mundial da série Sense8, em que o mesmo é um dos protagonistas da série mundialmente conhecida.

Eles são meus heróis..

Eu espero que seja tão divertido assistir quanto foi pra fazer, é um grupo especial de pessoas..

  

E ainda na entrevista, ele conta como foi a sua reação e a onde estava quando soube que havia conseguido o papel para Sense8 e ainda brinca com a surpresa: “Eles cometeram um erro terrível..

Ficou curioso ou curiosa para saber o que ele contou para The Phillip Siddiq Show?

Assistam ao vídeo em que legendamos em nosso canal no YouTube.

Curtam e se inscrevam para acompanhar mais entrevistas e vídeos sobre o ator norte americano Brian J. Smith. Em breve estaremos adicionando novas entrevistas legendadas em nosso canal.

Há quase dois anos atrás, o Brian foi indicado ao Tony Awards através de seu trabalho em “The Glass Menagerie”, peça teatral da Broadway em Nova Iorque, em que ele atuou por vários meses e foi indicado.

Legendamos a entrevista realizada no ano de 2014, quando Brian foi indicado ao Tony pela a peça!

Assistam ao vídeo em que legendamos em nosso canal no YouTube.

 

Após a primeira entrevista legendada pela a nossa equipe, legendamos também outra entrevista, confiram no nosso canal.

Curtam e se inscrevam para acompanhar mais entrevistas e vídeos sobre o ator norte americano Brian J. Smith. Em breve estaremos adicionando novas entrevistas legendadas no nosso canal.

Eu não era um garoto popular. Eu não era mesmo um garoto viciado em computador“, disse Brian J. Smith, que está ganhando raves como o Cavalheiro, um herói do ensino médio que caiu de glória, na evocativa do renascimento desta temporada de The Glass Menagerie. Isto parece surpreendente para quem já viu Brian J. Smith no palco. Charles Isherwood, do The New York Times chamou-o de “divino” e “apelativa natural.” Em seis pés de altura, com cabelos loiros escuros, ele é o cara da porta ao lado quente, Jimmy Stewart com uma pitada de beefcake. Sob o boné John Deere, seus olhos são tão brilhantes como holofotes, e seu sorriso, amplo e aberto, tem um shucksness que parece essencialmente americano. O tímido filho, o mais velho da família, Brian J. Smith cresceu profundamente mergulhado no temperamento conservador de sua clausura cidade. Aos sete, ele estava repetindo discursos que ele tinha ouvido falar contra o aborto de sua turma da terceira série.

Era parte da minha identidade. Eu pensei que eu seria um político republicano“, disse ele.

Seu avô, Bill Harris, foi presidente do Senado de Ohio. A mãe de Brian trabalhou para uma concessionária de carros, e seu pai era o chefe de equipe em um centro de convenção longe da cena teatral excêntrica de Nova York. Em um ponto, sua família vivia em um trailer de largura tripla em dois acres de terra com cavalos em miniatura. Brian se encontrou agindo na escola, ao mesmo tempo, seus pais decidiram se separar. “Foi uma experiência desagradável, e muito da minha vida criativa vai ser voltado para ela“, disse ele. Com sua vida doméstica em queda livre, o teatro deu-lhe algo para agarrar. “Eu era tímido“, ele admite. “Eu não estava em esportes.” Entre as grandes lojas e enormes centros comerciais de sua casa em Allen no Texas, “um ambiente muito desligado“, Brian se sentiu isolado. “Não havia nenhuma sensação de entrar em contato com as pessoas de lá. Você pode obter tudo o que precisava em um drive-through“, lembrou.

Ele deu-lhe uma certa introspecção e desconfiança a maneira como esses valores iniciais desenvolvendo: “Em comunidades onde você pode realmente escolher as pessoas que você quer entrar em contato físico, você recebe uma” nós e eles “mentalidade” A igreja local Mormon ameaçou boicotar sua produção colegial de graxa.

Brian J. Smith é charmoso e agradável enquanto bebe um café gelado em um café perto do apartamento Harlem, ele compartilha com outro graduação em Juilliard. Apesar de sua sociabilidade, seu calor, e seu apelo de homem comum bonito, é claro que ele passou boa parte de sua vida como um outsider. O Teatro foi um bálsamo, uma comunidade e uma maneira diferente de pensar. Brian ganhava vida recapturarando o entusiasmo que sentia por suas primeiras incursões no palco. “Você é apresentado a estas novas idéias, esta linguagem, e do estágio de fumaça“, disse ele alegremente. “Ele fica dentro de você e trabalha em você, apesar de si mesmo.

Apesar de sua afeição por seus pais, a quem ele chama de “amáveis, pessoas gentis que têm um profundo fundo de compaixão“, é óbvio, ele começou a questionar sua política e do ambiente ao seu redor. Eles, por sua vez, incentivou sua necessidade de ir “um pouco mais profundo para a vida.”

 Com o fervor de um novo convertido, ele se inscreveu no programa de teatro em Collin College em North Texas e fez tudo que podia, inclusive varrer o palco, a contribuir para os shows. Ele foi escalado como Alex em Laranja Mecânica, uma produção que se tornou um fenômeno no Dallas. O Dallas Observer o chamou de “o fascinante” e à produção “torção do intestino original”. Enquanto na Stephens College, em Missouri, encorajado por um professor de apoio e seu colega texano Michael Urie de Ugly Betty fama, ele fez o teste para Juilliard. Ele entrou em sua primeira tentativa, uma ocorrência rara.

Eu não era aplicável a quaisquer outras escolas; que era um negócio arriscado. Eu tinha uma arrogância ingênua. Eu sabia que Juilliard era onde eu deveria acabar..“, disse ele.

No entanto, na escola célebre, ele encontrou um outro conjunto de dogma segundo o qual ele se irritou. Juilliard tem uma reputação de quebrar psiques dos alunos e reconstruí-los libertando-os de sotaques para remodelar corpos. “Eles estão tentando transformá-lo em um certo tipo de pessoa“, recorda Brian J. Smith, “algumas pessoas não conseguir se colocar de volta.” Ele teve um tempo difícil com as classes de voz e fala, teimosamente se recusando a deixar de ir ao idiossincrasias ele acreditava que iria levá-lo elenco. “Eles dão-lhe um conjunto de valores que afeta você para o resto de sua carreira.” disse ele, ‘Que tipo de ator é você? Que tipo de pessoa você quer ser?E, alguns desses valores, você se rebela contra. É a relação mais complicada que eu nunca vou ter com qualquer um, mais complicado do que os meus pais.”

“E, claro, Juilliard me fez um liberal”, ele riu. “É muito difícil de estudar as ciências humanas, a ler grandes literaturas, e de estar envolvido no esforço comum que é teatro e manter suas crenças políticas conservadoras intacta. Há muita coisa que você tem que ignorar. Duvido que Shakespeare, se ele estivesse vivo hoje, seria um republicano.

Suas palavras são característicos de paixão e consideração, e ele traz para tudo o que ele está interessado em, desde a política ao teatro à música clássica. Ele é inteligente e curioso, um ávido leitor e observador. Sua mais recente paixão literária é Alice Munro.

Que ainda há algo à parte sobre ele é talvez o que o diretor John Tiffany viu quando ele lançou Brian J. Smith como Cavalheiro na peça “The Glass Menagerie“, Jim conhecido como o emissário afável de um mundo para além da família Wingfield conturbado. Interpretação rica e multi-camadas de Brian coloca Jim (seu personagem) perfeitamente dentro quarteto do jogo, assim como frágil e danificado como o Wingfields. Seu senso de vergonha e decepção são palpáveis. Sua cena icónica com a Laura, duas almas quebradas se juntou por um momento de esperança, pode fazer até mesmo os que estão familiarizados com o final devastador da peça acreditam que desta vez Laura pode ser salva. É também o desempenho raro que aponta para a possibilidade de que o Cavalheiro pode ser gay. A tensão sensual entre Jim e Tom e a maneira em que Jim processa sobre a revelação de sua noiva, dizendo sobre Tom, “Ele cometeu um erro sobre mim“, sugere que Jim pode ser tanto um outsider como Laura. “Ele vê algo em Laura que os outros não vêem. Porque ele também está com o coração partido sobre o mundo“, afirmou Brian. Embora ele insiste que quaisquer conotações gays não tinham consciência, ele disse sobre seu personagem: “Ele está no temor de que Tom é um artista e poeta e está saindo para criar uma vida que Jim sente que é impossível para si mesmo… Eu realmente estava conectado à amargura de ver a sua vida não saindo da maneira que você esperava.

Além de uma série de TV de dois anos na Rede Syfy, que foi Stargate Universe, que lhe valeu um culto seguinte, e aparições em Gossip Girl e Law & Order, Brian J. Smith teve a oportunidade de abraçar um punhado de personagens complexos, explorando temas de sexualidade e auto-descoberta notadamente quando jovem enrustido na peça Good Boys e True como um homem gay com intolerância enfrentando no filme indie “Hate Crime“: “Eu fui abençoado quando eu comecei a explorar alguns desses temas como os homens jovens de certos fundos que têm um tempo quase impossível de se confrontar com a verdade de quem eles são“, disse Brian. “Como ator, eu estou interessado em conflitos próprios dos indivíduos… Os atores estão sempre à procura de se colocar no lugar de outras pessoas ao expressar suas próprias verdades, e esses papéis definitivamente me permitiu aprender sobre mim mesmo e explorar algumas coisas muito escuro..“.

Enquanto se preparava para o a peça “The Glass Menagerie“, o diretor Tiffany disse à ele para encontrar “o unicórnio” no símbolo mais significativo, Jim da peça, que representa a solidão dos personagens, que é derivado de seu ser diferente. “As pessoas diferentes não são como as outras pessoas, mas ser diferente não é nada para se envergonhar“, Jim diz á Laura na peça. “Eu não sei o que eu esperava“, disse Brian J. Smith, enquanto ele considerava onde estava em sua vida. “Eu ainda não estou pronto; Eu ainda estou ficando lá e descobrindo isso..“.

Transcrição por: Fernanda Schvanz

FONTE;

12