Brian J. Smith realizou na noite de ontem (15 de Novembro) um Q&A (Perguntas e Respostas) em seu Twitter e comentou sobre a segunda temporada da série Sense8 e curiosidades que muitos fãs não sabiam. Brian é um dos atores principais da trama que terá o seu primeiro episódio da segunda temporada disponível no Natal e o resto em 2017 e também quando perguntado de como é trabalhar com seus colegas de elenco e ele não mediu esforços para elogiar os seus co-stars e falar um pouco mais sobre eles.

Leia a tradução completa do Q&A a seguir.

 

: Qual é a sua comida favorita ao redor do mundo?

Brian: O estilo do almoço Sul Indiano em Mumbai.

: Quantas pessoas você beijou na segunda temporada de Sense8?

Brian: Na vida real ou na série? Risos.

Fã: Alguma notícia sobre o lançamento da segunda temporada de Sense8?

Brian: Ao contrário..

: Qual foi a sua reação quando pediram para você se juntar ao elenco de Sense8?

Brian: “Eu preciso de mais páginas em meu passaporte.”

: Qualquer projeto além da segunda temporada de Sense8?

Brian: Tenho o filme independente chamado “22 Chaser” que sairá em breve e farei a peça “The Glass Menagerie” em Londres no inverno.

: Na sua opinião a segunda temporada de Sense8 será melhor do que a primeira?

Brian: Sim, na verdade eu amo a primeira temporada.

: Por quê você quis ser ator?

Brian: Por quê eu sou um escapista.

: Quem é a sua pessoa favorita que você conheceu fazendo Gossip Girl?

Brian: O Joshua Safran

: Você está acompanhando alguma série no momento? Se sim, qual?

Brian: Estou amando ‘The Crown’. É realmente difícil para mim acompanhar as séries como esta por favor!!!

: Como você definiria a relação do Will e da Riley na segunda temporada de Sense8?

Brian: O do tipo fugitivo.

: Qual é a sua música favorita para este momento?

Brian: Babe I’m Gonna Leave You de Led Zeppelin.

Pergunta do BJSBR: Uma vez que você ler alguma coisa sobre a segunda temporada de Sense8, o que podemos esperar?

Brian: É uma temporada muito escura na televisão. Pelo o menos foi para mim. Mas com sentido de Lana, com esperança e luta.

: O que você mais gosta no Will?

Brian: Ele nunca desiste de ninguém.

: Livro favorito do momento?

Brian: Shelby Foote’s Civil War: A Narração. Eu sou um nerd da história!

: Descreva o ator Max Riemelt em uma palavra?

Brian: Nerd/Agitado

: Qual é a melhor parte de trabalhar com a Jamie Clayton?

Brian: A risada dela, mas realmente o amor com que ela trabalha.

Fã: Você devia vim para Comic Con Experience Tour do próximo ano, aqui em Recife no Brasil. Isto seria um sonho se tornando realidade.

Brian: Não seria legal?

: Descreva a Tuppence Middleton em duas palavras

Brian: Dolores Park. (desculpa, piada interna).

: Quem é o seu personagem favorito em Sense8? Sem ser o Will?

Brian: Câmera da Lana.

: A abertura de Sense8 será trocada?

Brian: Sim.

: Qual é a melhor coisa sobre o Alfonso Herrera?

Brian: Não existe apenas uma única coisa. Ele é literalmente o melhor.

Pergunta do BJSBR: Você viu o novo design do nosso site? brianjsmithbrasil.com! Gostou???

Brian: Vocês são bons demais pra mim. Eu não mereço isso!!  

: Algo que você aprendeu com o Will?

Brian: Uniformes da polícia de Chicago são ridiculamente quentes no verão. Haha.

: Melhor coisa sobre trabalhar com o Miguel Ángel Silvestre?

Brian: O ator mais comprometido, e que trabalha duro que eu já trabalhei. Quero dizer que ele vai além das barreiras. Muito inspirador.

: Quão legal é o Toby Onwumere?

Brian: Ugh, mal posso esperar para que vocês conheçam esse cara. Ele foi provavelmente minha parte favorita de fazer a segunda temporada.

: Quem do elenco de Sense8 foi a primeira pessoa que você teve contato?

Brian: Com a Jamie Clayton – nós tomamos um café em Nova York antes de fazemos um teste juntos em Chicago.

: De escala de a 0 – 10 quanto é legal o cabelo da Freema Agyeman?

Brian: Não tão incrível quanto a mulher que senta-se no cabelo.

: Você aproveitou a Parada LGBTQ no Brasil?

Brian: Você não pode dizer pelas fotos? Haha!!!

: O que você gostaria de falar para todos os seus fãs?

Brian: Esta é uma ótima maneira de terminar, pois tenho uma comida Chinês chegando! Vocês sempre me fazem me sentir melhor quando estou pra baixo. Amor. Boa noite!

Esperamos que todos gostem da nossa tradução e que tenham gostado deste Q&A! Ficamos muito felizes pelo o Brian ter tirado um pequeno tempo do seu dia para voltar a falar com seus fãs e também por ter falado sobre o novo visual do BJSBR.

Desde a Primavera do semestre chegou ao fim para o meio da queda do semestre deste ano, a Universidade de Ohio Assistant Professor Film Rafal Sokolowski tem vindo a trabalhar bem dentro do mundo áspero e duro de motoristas de caminhão de reboque e produção cinematográfica independente. Sokolowski recentemente cobriu fotografia principal para 22 Chaser, um drama sobre um motorista de caminhão de reboque desesperado que arrisca tudo para se tornar um caçador de acidente enquanto está tentando juntar sua família quebrada. Este é o filme de “22 Chaser” a ser desenvolvido e financiado para a produção em Funções de CFC. As filmagens ocorreram em Toronto, Canadá.

“Desde a minha saída para Toronto no início de maio, eu estava trabalhando muito bem todos os dias com Jeremy Boxen, o escritor”, diz Sokolowski. “Jeremy tem sido muito mente aberta a minha entrada e minhas idéias – foi muito refrescante para ver como um escritor confiante funciona de forma rápida e eficiente transformar e fortalecer a história – este era o seu ‘baby’ – mas ele estava realmente confiante e aberto a mudanças. Isso nos permitiu dar passos corajosos e desenvolver a história em um grande ritmo. Esta liberdade criativa foi uma das alegrias de colaborar com ele no desenvolvimento do roteiro de filmagem, e no final produziu um grande projeto para o filme. ” Afirma, Rafael Sokolowski. Trazendo a história para a vida foi uma oportunidade para Sokolowski para enfrentar elementos de produção muito mais desafiadores. Uma vez que a história se passa dentro do competitivo mundo dos motoristas e caçadores de caminhão de reboque, produção chamados para a tecnologia high-end, grande elenco, as filmagens com várias câmeras, uma frota de caminhões de reboque e outros veículos de imagens e cenas de ação sofisticados a fim de capturar as mais emocionantes perseguições de carros e acidentes que foram todos parte do mundo da história.

Apesar dos elementos de ação fisicamente atraentes do filme, Sokolowski hesita em classificá-lo como um filme de ação. A história é um estudo de caráter íntimo de Ben (Brian J. Smith), um novo pai, que é empurrado para este mundo orientado a testosterona, a fim de cuidar de sua esposa e filho. O que atraiu Sokolowski a história de Ben foi o elemento humano do script que está situado no coração dele. “Ele captura um momento marcante em sua vida quando ele comercializa seus valores pessoais para o sucesso financeiro e estabilidade para sua família”, diz Sokolowski. “Tematicamente, ela fala sobre a crise da masculinidade no mundo moderno. Quem não pode se relacionar com isso? Eu certamente poderia. Foi o meu ponto de entrada pessoal para a história “, “A dinâmica da família dentro da história, o jovem casal que veio para Toronto a partir de uma pequena cidade em Ontário, afim de tentar cuidar de seu filho pequeno e tomar decisões estúpidas ao longo do caminho, é totalmente muito naturalista”, diz Sokolowski. “Eu tratei desse jeito e é filmado com estes longos, tiros único, com a fotografia muito íntimo. A atuação captura intimidade entre esses personagens. É muito diferente do mundo dos caçadores que cercam Ben fora da sua esfera familiar, que se sente estilisticamente quase como um filme diferente: corajoso e vulgar – esta foi a minha idéia de projetar o atrito entre seus dois mundos que são drasticamente oposta e para ‘pedir’ Ben para negociar o mundo áspero e violento de perseguir acidentes com o mundo frágil e privado em casa.” O saldo de adrenalina com um concurso de olhar para as relações familiares permitido Sokolowski de Ben para criar uma história híbrida, que marca uma mudança significativa de seu trabalho anterior, que tem ecos do drama humano e neo-neo-realismo.

“Eu vi um potencial para mim para espalhar as asas nesse novo território e ganhar uma fantástica, nova experiência de aprendizagem de trabalhar com elementos de filme de ação. Eu vi uma oportunidade para preservar o tipo de história humana que eu amo e sei como dizer, ao mesmo tempo colocando em uma completamente nova pele em cima, e criando um híbrido emocionante. “, Diz Sokolowski. O ambiente da história é construída sobre masculinidade e tenacidade. Sokolowski e a equipe criativa por trás do filme priorizados autenticidade, a fim de contar, uma história tão corajoso naturalista. Sokolowski lembra pesquisando o mundo desses motoristas de caminhão de reboque e caçadores que lutaram para proteger o território ao longo das estradas que estatisticamente teve o maior número de acidentes. “É um mundo intenso”, diz Sokolowski. “Eles são como aves de rapina, eles são como catadores, constantemente cruzando as estradas, na esperança de uma desgraça humana. Uma vez que ouvem sobre os scanners que há um acidente em algum lugar, eles mudam de marcha e eles se tornam estes, caçadores irresponsáveis loucos que quebram leis para ser o primeiro na cena para içar o carro. Passei algumas noites cruzando as rodovias com caçadores reais – é intenso para chegar ao local de um acidente horrível real, onde vidas reais estão quebradas, ou terminou -. A pesquisa para um filme rapidamente se transforma em uma experiência de vida real.”

Sokolowski fala sobre Brian J. Smith

Sokolowski passou um longo tempo trabalhando com o Casting LA Tineka Becker revendo suas listas e assistindo demo bobinas tentando lançar Ben, o personagem principal. Quando ele viu o trabalho de Brian J. Smith, Sokolowski soube imediatamente que ele tinha encontrado.

Colocar o Brian no cast foi realmente a melhor decisão de elenco que eu fiz na minha carreira, as mãos para baixo”, diz Sokolowski. “Há algo sobre ele que é tão inocente e tão transparente – ele é absolutamente aberto e disponível para a câmera” ver e capturar “o que se passa dentro de sua mente e alma. Então eu achei que ele tem formação teatral e de fato ganhou o prêmio Tony por seu papel como o Cavalheiro em The Glass Menagerie e é um graduado da Julliard. Eu comecei a ver mais coisas dele e só me dei conta, ‘esse é o cara, esse é o cara’… No primeiro dia, ele tem um forte senso de caráter tal que ele e eu deixei cair a conversa caráter quase inteiramente . Sempre que ele iria sair, ele seria o Ben que eu queria que ele fosse. Só ele conseguiu. Era estranho, era como ele vivia na minha cabeça e ele realmente entendia como eu queria, o jeito do Ben de pensar e sentir, e operar. ” Afirma, Sokolowski que credita no desempenho de Brian J. Smith, não só para a sua formação, mas a sua ética de trabalho.

Brian quase nunca deixava o set. Ele não é o tipo de cara que, durante a sua pausa, volta para seu trailer e relaxa. Ele iria sair com a tripulação, muitas vezes em seu caminhão de reboque de ouvir música, ponderando a cena que estávamos prestes a atirar. Uma vez estávamos prontos com iluminação para o próximo set-up, ele estaria lá pronto para ir. Ele disse, ‘Eu quero respirar este conjunto‘.”

Brian J. Smith e Sokolowski foram capazes de se conectar profundamente sobre suas origens no teatro e agir. Sokolowski diz que seu estilo de direção prioriza hands-on ensaios com os performers e que isto provou ser benéfico para todo o elenco de atores. Sokolowski antecipa que o filme vai estar em pós-produção até a primavera de 2016. O filme apresenta Direção de Fotografia de Cabot McNenly, design de produção por Adam William Wilson, figurino por Bonnie Sutherland, e edição por Kye Meechan.  22 Chaser é produzido através do programa de Recursos de CFC do Canadian Film Centre. Desenvolvimento em Recursos CFC é apoiado pelo Governo de Ontário, e apoio à produção e ao financiamento é suportado pelo The Movie Network, uma divisão da Sino Media, e da Corus Entertainment Movie Central.

Transcrição por: Brian J. Smith Brasil

FONTE;